Home Biden A maioria dos imigrantes ilegais não se qualifica para asilo nos Estados Unidos
Biden - EUA - Imigração - Local - Mundo - Novo Normal - 08/23/2022

A maioria dos imigrantes ilegais não se qualifica para asilo nos Estados Unidos

JSNEWS – A chegada de ônibus lotados de imigrantes em Nova York vindos dos estados dos sul levantou akgumas questões sobre as políticas de fronteira do governo Biden.

De acordo com a lei de imigração dos EUA, a maioria dos migrantes que chega ao pais sem permissão devem ser expulsos. As únicas exceções são para aqueles que fogem da tortura e da perseguição racial, religiosa, étnica, política ou social- grupo. “Refugiado econômico” é uma contradição, e “buscar uma vida melhor” não significa nada na lei migratória que favoreça um imigrante a ficar nos EUA quando este não tiver permissão para isso.

Caso contrário, milhões buscariam entrar no pais e os governos locais iriam à falência, os sistemas médico e público-escolar seriam esgotados e as pessoas mais pobres da sociedade permaneceriam na pobreza por gerações.

Para evitar tais danos, o Congresso exige que o Departamento de Segurança Interna evite as entradas ilegais e deu-lhe autoridade para remover rapidamente as pessoas que entraram ilegalmente no pais ou nele permaneçam sem os documentos adequados.

As estatísticas do DHS revelam que a administração Biden raramente usou essa autoridade de “remoção acelerada”. Entre julho de 2021 e julho de 2022, o departamento processou 1,079 milhão de migrantes parados na fronteira sudoeste para remoção. Desses 1,079 milhões, liberou apenas 41.206 para solicitar asilo ou outra proteção humanitária nos EUA.

Durante esse mesmo período, no entanto, o DHS liberou aproximadamente 853.000 migrantes parados na fronteira sudoeste para os Estados Unidos. Embora esses migrantes sejam comumente chamados de “requerentes de asilo”, essas estatísticas mostram que menos de 5% são.

Isso não quer dizer que outros não pedirão asilo eventualmente. A maioria dos que comparecerem ao tribunal de imigração apresentará pedidos de asilo, independentemente de temerem perseguição ou tortura, porque isso lhes permitirá buscar licenças de trabalho e permanecer aqui indefinidamente.

Mas muitos não aparecem. De acordo com o Departamento de Justiça, entre 2008 e o final do ano de 2019 — quando o DHS usou vigorosamente a remoção acelerada — 83% dos migrantes pararam na fronteira, que alegaram medo de danos foram liberados para fazer pedidos de asilo em tribunal. Menos de 17% deles receberam asilo. Em contrapartida, mais de 45% nunca solicitaram asilo, e 32,5% foram ordenados a serem removidos à revelia quando não compareceram ao tribunal.

Embora o presidente Donald Trump tenha tentado cumprir um mandato legal para deter todos os que entraram ilegalmente até que recebessem asilo ou fossem removidos, o presidente Biden simplesmente ignora essa regra.

A administração reclama que não pode deter imigrantes ilegais porque não tem espaço e deve, em vez disso, liberar a maioria para os EUA enquanto aguarda processos de remoção. Consequentemente, sete vezes mais desses migrantes ilegais foram libertados entre julho de 2021 e julho de 2022 do que foram removidos ou devolvidos.

Enquanto o DHS precisa de mais recursos de detenção, Biden pretende piorar esse problema.

Ele quer que o Congresso corte os leitos de detenção de adultos de 34.000 por dia para 25.000 em 2023. Em julho, a Patrulha de Fronteira apreendeu 5.856 participantes ilegais por dia na fronteira sudoeste. Se o Congresso fizer esses cortes, a Imigração e a Alfândega só poderiam deter qualquer migrante por cerca de quatro dias e mais imigrantes serão libertados, encorajando mais a entrar ilegalmente.

O secretário do DHS, Alejandro Mayorkas, admite que o objetivo da administração não é reduzir as entradas ilegais, mas, em vez disso, fornecer “caminhos seguros, ordenados e legais para que os indivíduos possam acessar nosso sistema legal”ou seja, solicitar asilo.

Mayorkas sabe, no entanto, que a taxa de ausência para os participantes ilegais é alta e que estabelecer a elegibilidade do asilo é difícil.

Por exemplo, não basta um venezuelano afirmar que a vida é dura sob o regime de Nicolás Maduro. Esse candidato deve provar tortura ou um “medo fundado” de perseguição por causa de raça, religião, nacionalidade, opinião política ou adesão a um grupo social. Como as estatísticas do DOJ (Departamento de Justiça)  comprovam que poucos ilegais podem atender essa questão.

Mas a maioria dos que refeceram a ordem de remoção não serão enviado de volta para seus países, em 2019, cerca de 600.000 imigrantes ilegais fugitivos com ordens finais de remoção não foram executadas e esse número tem aumentado, já que Mayorkas colocou mais travas na ação dos oficiais do ICE.

Ao contrário de todos os seus antecessores, Biden não está dissuadindo a imigração ilegal e muito menos combatendo a permanência destes. Em vez disso, ele está convidando todos os estrangeiros do mundo a virem ilegalmente para os Estados Unidos e pedir asilo, seja eles elegíveis ou não.

Texto no publicano no Ny Post
Texto: Andrew Arthur é ex-conselheiro geral associado do INS, funcionário do Congresso e diretor de equipe e juiz de imigração, atualmente membro residente em direito e política do Centro de Estudos de Imigração.

 

Leia também

Biden avalia reviver restrições de imigração da era Trump, dizem autoridades dos EUA

REUTERS – O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, dificultará a solicita…