Home Biden Associação Americana de Hospitais pede ao Congresso que rejeite a proposta que facilita a contratação de enfermeiros imigrantes
Biden - Imigração - Mundo - 12/06/2022

Associação Americana de Hospitais pede ao Congresso que rejeite a proposta que facilita a contratação de enfermeiros imigrantes

A Associação Americana de Hospitais pediu ao Congresso que não aprovasse a Lei EAGLE, que aceleraria as petições de green card para pessoas com vistos H-1B; Especialistas médicos acreditam que isso afetaria a contratação de enfermeiros migrantes

JSNEWS – A Associação Americana de Hospitais, que representa 5.000 hospitais e milhões de médicos, enfermeiros e cuidadores, pediu ao Congresso dos Estados Unidos que não aprove a o projeto de ‘Lei de Igualdade de Acesso ao Emprego Legal Green Cards’ (conhecida como Lei EAGLE), alegando que isso afetaria a imigração de pessoal médico qualificado.

“O projeto de lei EAGLE remove o limite de solicitante por país para vistos baseados em emprego, o que é uma mudança dramática na política de imigração e pode ter consequências negativas”, adverte a carta enviada por Lisa Kidder Hrobsky, vice-presidente sênior de Aconselhamento e Assuntos Políticos da AHA.

A carta é endereçada à presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi (Califórnia), e ao líder da minoria republicana, Kevin McCarthy (Califórnia).

“Essas enfermeiras devem atender a padrões rígidos de educação equivalente, fluência em inglês e licenciamento estadual e devem ter registros disciplinares impecáveis”, disse a carta que também foi enviada ao deputado democrata Jerrold Nadler (Nova York), presidente do Comitê Judiciário da Câmara, e ao parlamentar Jim Jordan (Ohio), o republicano mais graduado nesse comitê.

“Acreditamos que essa legislação afetaria negativamente a imigração de enfermeiros e, portanto, afetaria negativamente a capacidade dos hospitais e sistemas de saúde dos EUA de prestar cuidados em comunidades em todo o país”, disse a carta.

A AHA representa 270.000 médicos afiliados, dois milhões de enfermeiros e outros cuidadores e 43.000 líderes de cuidados de saúde. A carta critica a recusa dos promotores da reforma em chamar especialistas e membros da AHA para falar sobre o impacto dessa legislação.

O grupo reconhece que atualmente há um aumento da demanda por enfermeiros e poucas opções para preencher cargos deixados por aqueles que estão se aposentando, algo que aumentou com a pandemia de COVID-19. No entanto, não considera que a Lei EAGLE seja a forma de satisfazer estas necessidades.

“Embora os EUA devam fazer mais para investir no treinamento da próxima geração de profissionais de saúde, acreditamos que recrutar imigrantes qualificados e acelerar sua entrada no país é uma abordagem eficaz de curto prazo que merece apoio do Congresso”, diz a carta que também afirma que o treinamento exigido deve ser mantido como forma de avaliar a proficiência dos profissionais como requisito primário, além da fluência em inglês.

“Os enfermeiros formados no estrangeiro representam cerca de 5% das 160.000 vagas autorizadas a cada ano. Eles são contratados principalmente em hospitais rurais… lugares que a demanda por mão de obra é mais difícil de ser preenchida do que outros lugares esses profissionais também desempenham um papel crítico no cuidado de pacientes em comunidades carentes”.

Especialistas médicos estão pedindo ao Congresso que abra o diálogo e reconsidere este projeto de lei que beneficiaria os portadoresde visto H-1B.

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…