Home Local Ataque à sinagoga do Texas: quem é Aafia Siddiqui?
Local - Mundo - Religião - 01/17/2022

Ataque à sinagoga do Texas: quem é Aafia Siddiqui?

JSNEWS – O FBI divulgou neste domingo (16) a identidade do homem que foi morto após fazer quatro reféns neste fim de semana em uma sinagoga no Texas, nos Estados Unidos, em um episódio classificado como um ato terrorista pelos governos dos EUA e do Reino Unido. Segundo a polícia federal americana, o sequestrador era um cidadão britânico de 44 anos chamado Malik Faisal Akram.

“Neste momento, não há indicação de que outros indivíduos estejam envolvidos”, afirma um comunicado do FBI em Dallas, acrescentando que os investigadores continuam “analisando evidências da sinagoga”.

Mas antes de ser morto as autoridades disseram que o sequestrador exigiu a libertação de Aafia Siddiqui, uma neurocientista paquistanesa que cumpre uma pena de 86 anos de prisão nos EUA por tentativas de matar soldados americanos no Afeganistão e mais sete outras acusações.

O incidente, que foi descrito como um “ato de terror” pelo presidente dos EUA, Joe Biden, voltou a chamar atenção para Siddiqui, que já foi apelidada de Lady al-Qaeda no passado, no entanto alguns líderes políticos e seus apoiadores a veem como vítima do sistema de justiça criminal dos Estados Unidos.

Quem é Aafia Siddiqui?

Siddiqui é um neurocientista paquistanês que estudou em instituições americanas, incluindo a Brandeis University e o Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Ela passou a atrair a atenção da polícia americana após os ataques de 11 de setembro com o FBI e o Departamento de Justiça (DOJ) descrevendo-a como uma “operadora e facilitadora da Al-Qaeda” em uma entrevista coletiva em maio de 2004 na qual as agencias de inteligência dos EUA alertaram que a Al-Qaeda planejava uma serie de ataques ataque nos próximos meses.

Em 2008 Siddiqui foi detida por autoridades no Afeganistão após as autoridades americanas terem encontrado em sua posse notas manuscritas que discutiam a construção das chamadas “bombas sujas” e que listavam vários locais nos EUA que poderiam ser alvo de uma ataque (AP2008).

Durante o interrogatório no Afeganistão, Siddiqui tomou um Rifle M-4 de um oficial do Exército dos EUA e abriu fogo contra diversos oficiais americanos designados para interrogá-la.

Siddiqui foi condenada em 2010 por acusações que incluíam tentar matar cidadãos americanos fora dos Estados Unidos. Em sua audiência de sentença, ela deu declarações incoerentes nas quais transmitiu uma mensagem de paz mundial, e também perdoou o juiz, ela também expressou frustração com os argumentos de seus defensores, que disseram que ela merecia clemência porque estava mentalmente doente.

“Eu não sou paranoica”, disse Siddiqui a certa altura. “Eu não concordo com isso.”

Qual foi a reação no Paquistão?

Autoridades paquistanesas imediatamente condenaram a punição, o que gerou protestos em várias cidades e críticas da mídia paquistanesa e progressista ao redor do mundo.

O primeiro-ministro da época, Yousuf Raza Gilani, a chamou de “filha da nação” e prometeu fazer uma campanha por sua libertação da prisão. Nos anos seguintes, os líderes paquistaneses divulgaram abertamente a ideia de trocas ou acordos que poderiam resultar em sua libertação.

Faizan Syed, diretor executivo do Conselho de Relações Americano-Islâmicas em Dallas Fort-Worth, Texas, disse que o grupo considera Siddiqui “pego na guerra ao terror” e “uma prisioneira política que foi acusado injustamente por meio de evidências falhas”.

Ele também condenou o ataque ao Templo Judaico, afirmando que era errado, hediondo e “algo que está minando completamente nossos esforços para libertar o Dr. Aaifa”.

Desde sua prisão, Siddiqui tem recebido apoio de militantes ​​nos EUA. Um homem de Ohio, que admitiu ter planejado matar militares dos EUA depois de receber treinamento na Síria, planejava voar para o Texas e atacar a prisão federal onde Siddiqui está detida na tentativa de libertá-la. O homem, Abdirahman Sheik Mohamud, foi condenado em 2018 a 22 anos de prisão.

Quais são as últimas notícias sobre a prisão de Siddiqui?

Siddiqui está detida em uma prisão federal em Fort Worth, Texas, e de acordo com documentos judiciais, ela foi atacada em julho por uma detenta e sofreu ferimentos graves.

Em um processo contra o Bureau of Prisons federal, os advogados de Siddiqui disseram que outro preso “atirou uma caneca de café cheia de um líquido escaldante” em seu rosto e foi agredida com socos e chutes deixando-a com ferimentos tão graves que ela precisou ser levada de cadeira de rodas para a unidade médica do presídio, diz o processo.

Siddiqui ficou com queimaduras ao redor dos olhos e uma cicatriz de três polegadas perto do olho esquerdo, diz o processo. Ela também sofreu contusões nos braços e pernas e uma lesão na bochecha.

O ataque provocou protestos de ativistas de direitos humanos e grupos religiosos, pedindo melhores condições nas prisões. Os ativistas também pediram ao governo paquistanês que lute por sua libertação da custódia dos EUA.

 

 

Leia também

Presidente do Peru tenta golpe de Estado e é preso

BBC NEWS BRASIL – Tudo aconteceu depois que Castillo fez o anúncio inesperado –…