Home Biden Câmara vota legislação proposta por Biden para evitar greve dos ferroviários nos USA
Biden - Economia - EUA - Local - Mundo - 11/30/2022

Câmara vota legislação proposta por Biden para evitar greve dos ferroviários nos USA

Para os sindicalistas, o posicionamento de Biden contradiz a imagem de presidente mais pró-sindicato dos últimos tempos.

JSNEWS – A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos agiu rapidamente para evitar a iminente greve nacional ferroviária aprovando nessa quarta-feira um projeto de lei que vincularia empresas e trabalhadores a um acordo proposto que foi alcançado em setembro, mas rejeitado por arte dos sindicatos que representam a classe.

A medida proposta pela administração Biden foi aprovada por 290 votos a 137 e segue agora para o Senado. Se aprovado lá, será rapidamente assinado pelo presidente Joe Biden.

Biden pediu na segunda-feira ao Congresso que intervenha nas negociações e evite a paralisação ferroviária que poderia causar um golpe devastador na frágil economia do país, interrompendo o transporte de combustível, alimentos e outros bens críticos.

Grupos empresariais, incluindo a Câmara de Comércio dos EUA e a Federação Americana de Agências Agrícolas, alertaram que a interrupção do serviço ferroviário causaria um impacto de US $ 2 bilhões por dia na economia.

O projeto de lei imporia um acordo trabalhista de compromisso mediado pelo governo Biden, que acabou sendo rejeitado por quatro dos 12 sindicatos que representam mais de 100.000 funcionários das transportadoras de carga ferroviárias. Os sindicatos ameaçaram fazer greve se um acordo não puder ser alcançado antes do prazo de 9 de dezembro.

O Congresso tem autoridade para intervir em disputas trabalhistas ferroviárias de acordo com uma lei de 1926, intitulada Lei do Trabalho Ferroviário, como forma de evitar distúrbios no comércio interestadual.

Os líderes sindicais estão descontentes com o fato de a solução de Biden funcionar como a imposição de um acordo que já foi rejeitado pelas categorias por não atender às preocupações dos trabalhadores sobre salários, licenças médicas, falta de pessoal e folgas.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, respondeu a essa preocupação propondo uma segunda votação na que adicionaria sete dias de licença médica remunerada por ano para os trabalhadores ferroviários cobertos pelo acordo. No entanto, só entrará em vigor se o Senado seguir em frente e aprovar as duas medidas.

Após a votação na Câmara, Biden pediu ao Senado que também tome medidas imediatamente. “Deixe-me dizer isso novamente: sem essa ação dessa semana, as interrupções em nossas cadeias de suprimentos de automóveis, nossa capacidade de mover alimentos para as mesas dos americanos e nossa capacidade de remover resíduos perigosos das refinarias de gasolina começarão a entrar em colapso”, disse ele em um comunicado. 

 

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…