Home Biden Donald Trump anuncia pré-candidatura à Presidência dos Estados Unidos em 2024
Biden - EUA - Mundo - Política - Trump - 3 semanas atrás

Donald Trump anuncia pré-candidatura à Presidência dos Estados Unidos em 2024

Trump apresentou documentos necessários para se candidatar novamente

Da Redação – Donald Trump anunciou nesta terça-feira (15) sua pré-candidatura à Presidência dos Estados Unidos em 2024. O ex-presidente fez um discurso de sua mansão em Mar-a-Lago, na Flórida, acompanhado de apoiadores.

O republicano voltou a usar o slogan de campanhas passadas durante sua fala. “Para fazer a América voltar a ser grande de novo, estou anunciando esta noite minha candidatura para presidente dos Estados Unidos”.

Mais cedo, assessores do ex-presidente protocolaram na Comissão Eleitoral Federal dos EUA os documentos necessários para a formalização da campanha.

Trump ainda vai ter que passar pela disputa interna do partido republicano e sair vitorioso para voltar a enfrentar o atual presidente Joe Biden nas urnas.

O ex-presidente esperava usar os ganhos da sigla nas eleições como um trampolim para se lançar à indicação de seu partido. Diante de um resultado dos republicanos mais contido que o esperado, no entanto, ele vem sendo apontado como culpado por apoiar uma série de candidatos derrotados depois que o partido não conseguiu assumir o controle do Senado.

Ele comemorou a retomada da Câmara mesmo antes da concretização. Os republicanos ainda dependem de mais uma cadeira para controlar a Casa. Trump admitiu o resultado abaixo do esperado, mas negou qualquer responsabilidade.

Durante o seu discurso, Trump atacou Biden e falou sobre a alta inflação e a escalada dos preços dos combustíveis.

Além de problemas da atual gestão, ele voltou a minimizar os efeitos das mudanças climáticas e chamou o coronavírus de vírus da China e falar sobre a fronteira com o México. Trump também usou termos nacionalistas como “América grande” e “sonho americano”.

Com a nova campanha, o ex-presidente pretende superar a mancha gerada em seu governo, que terminou com seus apoiadores invadindo o Capitólio para contestar a vitória de Joe Biden, em 2021. Trump foi ainda o primeiro presidente do país a sofrer um processo de impeachment duas vezes.

Apenas um presidente na História dos EUA foi eleito para dois mandatos não consecutivos: Grover Cleveland, em 1884 e 1892.

O ex-presidente também enfrenta uma série de investigações criminais, incluindo a do Departamento de Justiça sobre as centenas de documentos classificadas como secretos que foram descobertos em caixas e gavetas em seu clube Mar-a-Lago após ele deixar a Presidência dos EUA.

Assessores e aliados pediram a Trump que esperasse até depois do fim do mandato – e depois até depois do segundo turno da eleição para o Senado em 6 de dezembro na Geórgia – para anunciar seus planos. Mas Trump, ansioso para voltar aos holofotes, também espera evitar uma longa lista de potenciais adversários, incluindo o governador da Flórida Ron DeSantis, que foi reeleito na semana passada e agora está sendo instado por muitos em seu partido a concorrer à Presidência.

O ex-presidente tentou culpar o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, pelo desempenho abaixo do esperado do Partido Republicano, mas acabou recebendo o peso das críticas por apoiar candidatos derrotados em estados como Pensilvânia e Arizona.

Questionada se ela apoiaria Trump em 2024, a senadora republicana Cynthia Lummis, de Wyoming, disse a repórteres na segunda-feira: “Não acho que essa seja a pergunta certa. Acho que a questão é: quem é o atual líder do Partido Republicano?”

Sua resposta a essa pergunta: “Ron DeSantis”.

Apoio a DeSantis
Em Utah, 86 legisladores republicanos enviaram na segunda-feira um comunicado à imprensa pedindo que DeSantis concorresse, refletindo a insatisfação por ter Trump como porta-estandarte de seu partido. A maioria mórmon do estado há muito é cética em relação ao isolacionismo e linguagem obscena de Trump.

E em Michigan, Paul Cordes, chefe de gabinete do Partido Republicano de Michigan, escreveu um memorando interno de quatro páginas que criticava os candidatos apoiados por Trump por “varreduras em todo o estado” que darão aos democratas o controle total do governo do estado pela primeira vez em 40 anos. anos. Isso inclui Tudor Dixon, que perdeu a corrida do governador para a atual democrata Gretchen Whitmer por dois dígitos.

A deputada Liz Cheney, outra crítica de Trump que está considerando sua própria candidatura em 2024, destacou as perdas de candidatos apoiados por Trump ao falar, na manhã de terça-feira (15), na Cúpula Global das Mulheres do The Washington Post.
“Este certamente não é o lançamento que tenho certeza de que Donald Trump queria para seu anúncio esta noite. Mas também não é a primeira vez que ele se distancia totalmente da realidade”, disse Cheney. “Não há dúvida de que ele é inapto para o cargo. E estou confiante de que ele nunca mais será presidente”.

Leia também

Biden avalia reviver restrições de imigração da era Trump, dizem autoridades dos EUA

REUTERS – O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, dificultará a solicita…