Home Biden Governo Biden planeja programa humanitário para evitar entrada ilegal de venezuelanos nos USA
Biden - EUA - Imigração - Mundo - Política - Trump - 10/12/2022

Governo Biden planeja programa humanitário para evitar entrada ilegal de venezuelanos nos USA

Da Redação – O governo de Joe Biden está trabalhando no desenvolvimento de um novo programa para que os imigrantes venezuelanos se inscrevam nos portos de entrada dos Estados Unidos, como em aeroportos, em vez de cruzar ilegalmente a fronteira ao sul, se tiverem um vínculo pré-existente no país, segundo informações de quatro fontes familiarizadas com as discussões.

A proposta ocorre em meio a um aumento no fluxo de imigrantes dessas nacionalidades na fronteira entre EUA e México, sobrecarregando os recursos federais e as cidades fronteiriças. Em agosto, 55.333 pessoas encontradas na fronteira eram da Venezuela, Cuba ou Nicarágua, representando um aumento de 175% em relação a agosto do ano passado, de acordo com o Departamento de Segurança Interna.

O plano será destinado a servir como um processo expandido e mais ordenado. Se os imigrantes atenderem aos critérios e forem aprovados, terão liberdade condicional para os EUA em um aeroporto com a capacidade de também trabalhar legalmente.

O México também deve colocar vários venezuelanos sob uma regra de emergência da pandemia de Covid-19 da era de Donald Trump, conhecida como Título 42, que permite que as autoridades rejeitem imigrantes na fronteira com os EUA, segundo duas fontes.

Funcionários do governo vêm lutando contra a imigração em massa há meses, enfatizando a necessidade de todos os países ajudarem a aliviar o fluxo e criar melhores condições no país. O assunto voltou a ser discutido na semana passada em uma reunião de chanceleres em Lima, no Peru.

A mudança na demografia — com muitos dos imigrantes vindos da Venezuela, Cuba e Nicarágua — é especialmente difícil para os EUA, devido, em parte, às relações com essas nações que dificultam amplamente o governo de impedir a entrada.

A proposta que está em análise é um reconhecimento da realidade de que os venezuelanos são largamente libertados nos EUA enquanto passam por processos de imigração e, em alguns casos, têm familiares ou amigos com quem estão se juntando no país.

O governo Biden adotou uma abordagem semelhante à que está sendo considerada com os ucranianos que estão saindo de seu país devastado pela guerra, permitindo a entrada nos Estados Unidos, bem como a capacidade de trabalhar por um período temporário.

Esse programa foi criado para evitar que ucranianos cheguem à fronteira EUA-México e passem por um processo ordenado.

Condições econômicas precárias, escassez de alimentos e acesso limitado a cuidados de saúde estão levando cada vez mais os venezuelanos a sair – representando um desafio urgente para o governo, à medida que milhares chegam à fronteira sul dos EUA.

Mais de 6 milhões de venezuelanos fugiram de seu país em meio à deterioração das condições, igualando a Ucrânia no número de pessoas deslocadas e superando a Síria, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Mais de 1.000 venezuelanos são detidos diariamente ao longo da fronteira EUA-México, de acordo com um funcionário da Segurança Interna.

Os venezuelanos presos na fronteira geralmente recebem liberdade condicional nos EUA e são liberados sob um programa de Imigração e Alfândega que monitora as pessoas usando tornozeleiras eletrônicas, telefones ou um aplicativo enquanto passam por seus processos de imigração. Mas é esperado que a última proposta adote uma abordagem mais organizada.

O salto na movimentação de venezuelanos surgiu durante uma reunião na Casa Branca no mês passado com 19 países ocidentais.

“Constatamos que a falta de coordenação leva a que mais migrantes sejam explorados”, disse funcionário. “Há consenso de que há valor em trabalharmos mais de perto e tentarmos sincronizar nossas políticas.”

Leia também

Assassino que matou 4 pessoas e baleou 12 recebe sentença de até 3 anos

Da Redação – O atirador que invadiu duas escolas em Aracruz, Espírito Santo, vai cum…