Home Brasil Homem tentou explodir caminhão de combustível em Brasília, disse que as falas de Bolsonaro o encorajaram a adquirir armas
Brasil - Mundo - Novo Normal - Policial - Política - 12/26/2022

Homem tentou explodir caminhão de combustível em Brasília, disse que as falas de Bolsonaro o encorajaram a adquirir armas

Preso na noite de sábado (24), Sousa afirmou em depoimento à Polícia Civil que planejou com manifestantes do QG (Quartel General) no Exército a instalação de explosivos em pelo menos dois locais da capital federal para "dar início ao caos" que levaria à "decretação do estado de sítio no país", o que poderia "provocar a intervenção das Forças Armadas".

COM AGÊNCIA ESTADO – O empresário George Washington de Oliveira Sousa, que foi preso sob a acusação de tentar explodir um caminhão de combustível em via próxima ao aeroporto de Brasília neste sábado (24), afirmou à Polícia Civil de Brasília que as “palavras” de Jair Bolsonaro (PL) o encorajaram a adquirir o arsenal de armas apreendido em seu poder.

Na versão dada por ele aos policiais, à qual a Folha teve acesso, Sousa fez referência ao discurso armamentista do presidente da República —marca de Bolsonaro durante seu mandato e da campanha que em 2018 o levou ao Palácio do Planalto.

“O que me motivou a adquirir as armas foram as palavras do presidente Bolsonaro, que sempre enfatizava a importância do armamento civil dizendo o seguinte: ‘Um povo armado jamais será escravizado'”, disse o investigado, que afirmou ser um “apaixonado” por armas desde a juventude.

Sousa afirmou que trabalha como gerente de um posto de gasolina no interior do Pará e que, desde outubro de 2021, quando obteve licença como CAC (colecionador, atirador desportivo e caçador), já teria gastado cerca de R$ 160 mil na compra de pistolas, revólveres, fuzis, carabinas e munições.
Preso na noite de sábado (24), Sousa afirmou em depoimento à Polícia Civil que planejou com manifestantes do QG (Quartel General) no Exército a instalação de explosivos em pelo menos dois locais da capital federal para “dar início ao caos” que levaria à “decretação do estado de sítio no país”, o que poderia “provocar a intervenção das Forças Armadas”.

Na versão dada por ele aos policiais, ele mencionou o artefato localizado no sábado nas imediações do aeroporto de Brasília e também planos da instalação de explosivos em postes próximos a uma subestação de energia em Taguatinga, cidade do Distrito Federal.
Sousa disse que, após o segundo turno das eleições, passou a participar de protestos no Pará em apoio a Bolsonaro e contra o resultado das eleições, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que no dia 12 de novembro foi para Brasília.

Narrou que fez o trajeto de carro, uma caminhonete, e colocou no bagageiro “duas escopetas calibre 12, dois revólveres calibre .357, três pistolas, sendo duas Glocks e uma CZ Shadow, um fuzil Springfield calibre .308, mais de mil munições de diversos calibres e cinco bananas de dinamite”.

De acordo com a versão dele, o único item que não tinha licença para “possuir” eram as dinamites que teria adquirido por R$ 600 de “um homem do Pará”, entregues na capital do país.
O suspeito afirmou ainda que não possuía a guia de transporte de armas e, caso fosse parado pela polícia na estrada, acionaria o grupo armamentista Pró-Armas para ajudá-lo a contornar a eventual situação.

O número de armas de fogo nas mãos de CACs chegou a 1 milhão em julho deste ano. O aumento foi de 187% em relação a 2018.

O governo eleito anunciou a revogação de decretos presidenciais que facilitaram o acesso da população às armas e ao descontrole sobre a circulação desses produtos no país.

Saiba quem é George Washington de Sousa, preso por montar bomba em Brasília
Washington de Sousa tem 54 anos e, nas redes sociais, identifica-se como oriundo de Xinguara, no Pará. Ele teria saído de Santarém, naquele Estado, onde atua como empresário, com destino a Brasília.

Seu perfil no Twitter não é atualizado desde outubro. Até lá, ele fazia uma defesa ardorosa do presidente Jair Bolsonaro e críticas ácidas contra o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele havia alugado, desde novembro, um apartamento no Sudoeste, área nobre da capital federal. Lá, foi preso com duas espingardas, um fuzil, dois revólveres, três pistolas, centenas de munições e uniformes camuflados, além de cinco outras emulsões explosivas, para uso em bombas como a que foi desativada nas proximidades do aeroporto.

Ao portal “Uol”, um filho do empresário afirmou que os familiares dele eram contra a mudança para a capital federal para a participação dos atos contra o resultado da eleição e com pedidos de intervenção das Forças Armadas para impedir a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele disse que eles sabiam que “daria errado”. A esposa de George, por sua vez, diz que não foi comunicada da prisão e que “o marido nunca faria algo assim”, por ser “uma pessoa pacifista”.

 Empresário do Pará confessou à polícia ter feito artefato colocado em caminhão-tanque que ia para aeroporto da capital federal.

Leia também

Quase mil crianças imigrantes seguem separadas dos pais nos Estados Unidos

AFP – Um total de 998 crianças imigrantes separadas de suas famílias durante o manda…