Home Biden ICE divulga por engano informações de imigrantes que buscam de asilo nos Estados Unidos
Biden - EUA - Imigração - Internacional - Mundo - 12/01/2022

ICE divulga por engano informações de imigrantes que buscam de asilo nos Estados Unidos

Entre as informações, havia detalhes sobre como as pessoas escaparam de governos autoritários em países como China, Rússia e Irã, assim como de outros tentando fugir de gangues violentas em outros lugares.

Da Redação – Informações pessoais de mais de 6 mil imigrantes em busca de asilo nos Estados Unidos e que estão alegando algum tipo de perseguição no país de origem foram publicadas no site do Serviço de Imigração e Controle de Aduanas (ICE).

Dados consideradas sensíveis incluindo, os nomes dos imigrantes, status dos casos, locais de detenção dos solicitantes de asilo foram postadas no site do ICE e lá mantidos por cinco horas nessa segunda-feira, 28, a informação é do próprio ICE que admitiu o erro.

Entre as informações, havia detalhes sobre como as pessoas escaparam de governos autoritários em países como China, Rússia e Irã, assim como de outros tentando fugir de gangues violentas em outros lugares.

“Em 28 de novembro de 2022, durante atualizações de rotina, um documento foi postado erroneamente no ICE.gov por aproximadamente cinco horas e incluía nomes e outras informações pessoais, bem como informações de imigração de aproximadamente 6 mil estrangeiros sob custódia do ICE”, disse à agência. “Ainda que não intencional, esta divulgação é uma quebra de procedimento e a agência está investigando o incidente e tomando as medidas corretivas necessárias”, acrescentou.

Os afetados estão sob custódia do ICE, de acordo com o Los Angeles Times.

Blaine Bookey, diretora jurídica do Centro de Estudos de Gênero e Refugiados da Universidade Hastings de Direito, de San Francisco, afirmou que o ocorrido expõe pessoas vulneráveis a riscos significativos.

“Se eles forem levados de volta a esses países, podem sofrer retaliações”, observou. “Ou suas famílias, amigos e colegas que ainda estão em seus países podem também sofrer represálias.”

Bookey ressaltou que o fato de que todos os indivíduos afetados estão ainda sob custódia do serviço de imigração aumenta o risco.

“Eles não têm liberdade ou controle sobre onde estão e suas informações e detalhes pessoais estão agora em um documento público”, disse.

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…