Home Biden Kamala é questionada sobre legitimidade das eleições de meio de mandato caso Biden não consiga aprovar a reforma eleitoral
Biden - Local - Mundo - Política - 01/20/2022

Kamala é questionada sobre legitimidade das eleições de meio de mandato caso Biden não consiga aprovar a reforma eleitoral

JSNEWS – A vice-presidente Kamala Harris repetiu, nessa quinta-feira,20, os comentários do presidente Biden questionando a legitimidade das eleições de meio de mandato de 2022 se os democratas não conseguirem aprovar medidas de reforma eleitoral no Congresso.

Em entrevista ao programa “Today“, da NBC, a apresentadora Savannah Guthrie disse que foi “surpreendente ouvir as observações de Biden sobre a capacidade de realizar eleições livres e justas” em novembro deste ano.

“O presidente tem sido consistente nesta questão”, disse Kamala Harris, observando o fracasso dos democratas do Senado em aprovar a “Lei de Promoção dos Direitos de Voto de John Lewis” e a “Lei de Liberdade de Votar” na quarta-feira à noite, ao repetir os comentários de Biden.

Os democratas afirmam que as medidas são necessárias para contrariar a legislação aprovada pelos Estados liderados pelos republicanos que incluem algumas disposições que regulam a votação antecipada e a votação pelo correio.

Com as duas legislações bloqueadas pelos republicanos do Senado, a apresentadora Savannah Guthrie perguntou a Kamala qual o efeito de sua ausência nas eleições de meio de mandato.

Falando antes da votação em sua coletiva de imprensa, Biden foi questionado sobre as consequências para novembro se as contas apoiadas pelos democratas não fossem aprovadas.

“Acho que facilmente poderia ser ilegítimo”, respondeu o presidente, referindo-se à eleição. Ele passou a falar sobre o que poderia ter acontecido se o então vice-presidente Mike Pence concordasse com o ex-presidente Donald Trump em não certificar os resultados das eleições de 2020 em 6 de janeiro.

“Eu não estou dizendo que vai ser legítimo. O aumento da perspectiva de ser ilegítimo é em proporção direta para que não possamos aprovar essas reformas”, disse Biden.

Kamala ainda disse na quinta-feira de manhã que o resultado da próxima eleição poderia ser questionado.

“Então, o que estamos vendo é o tema de tanto debate, não podemos permitir essa erosão flagrante de nossa democracia e, em particular, o direito de todos os americanos que são elegíveis para votar, ter acesso à cédula sem restrições. Esse é o tema de nossa conversa”, disse Kamala, acrescentando que “jogos políticos” não devem distrair do que está “verdadeiramente em jogo”.

“Se os americanos com deficiência têm a oportunidade de votar por correio, se um pai solteiro tem a oportunidade com três filhos no banco de trás para votar, deixando sua cédula na caixa de entrega em vez de ter que ficar na fila com essas três crianças por horas?” Kamala disse. “Essas são as questões que estão em jogo.”

“Em todo o nosso país, houve tentativas propositais e diretas de dificultar o voto das pessoas, o acesso à cédula. E essa é a questão quando falamos sobre ataques de direitos de voto à nossa democracia. Se você resumir a isso, uma das questões específicas é que as pessoas estão fazendo isso – pessoas em cargos e estados eleitos – estão tornando mais difícil para seus cidadãos votarem”, disse Kamala.

“Então, o que você vai fazer?”, perguntou a ancora da CBS Gayle King.

“O que vamos fazer é continuar lutando para que a legislação seja aprovada porque isso é fundamental. Então não vamos desistir disso. É uma questão de continuar a fazer o trabalho de ordens executivas, fazendo o trabalho através do Departamento de Justiça, que vem litigando esses casos nos vários estados, porque acreditamos que eles são uma violação do espírito da Constituição dos Estados Unidos”, disse o vice-presidente.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, recorreu ao Twitter na tarde dessa quinta-feira para esclarecer algumas questões.

“Sejamos claros: @potus não estava lançando dúvidas sobre a legitimidade da eleição de 2022. Ele estava fazendo o ponto oposto: em 2020, um número recorde de eleitores apareceu em face de uma pandemia, e os funcionários eleitorais garantiram que eles poderiam votar e ter esses votos contados”, disse Psaki em uma postagem.

“Ele (Biden) estava explicando que os resultados seriam ilegítimos se os Estados fizessem o que o ex-presidente lhes pedia para fazer após a eleição de 2020: jogar fora cédulas e derrubar resultados contrarios. A Grande Mentira está colocando nossa democracia em risco. Estamos lutando para protegê-lo”, disse a secretária de imprensa da Casa Branca.

Leia também

Presidente do Peru tenta golpe de Estado e é preso

BBC NEWS BRASIL – Tudo aconteceu depois que Castillo fez o anúncio inesperado –…