Home Cultura Mudança de identidade de gênero na escola, sem conhecimento dos pais, desafia educadores nos Estados Unidos
Cultura - EUA - Internacional - Local - Mundo - Novo Normal - Política - 2 semanas atrás

Mudança de identidade de gênero na escola, sem conhecimento dos pais, desafia educadores nos Estados Unidos

Agência Globo – Jessica Bradshaw descobriu que seu filho de 15 anos se identificou como transgênero na escola depois que ela viu uma tarefa de casa com um nome desconhecido rabiscado no topo. Quando ela perguntou sobre o nome, o adolescente reconheceu que, a pedido dele, professores e administradores de sua escola no Sul da Califórnia há seis meses o deixavam usar o banheiro masculino e o chamavam por pronomes masculinos.

Bradshaw estava confusa: a escola não precisava da permissão dela, ou pelo menos precisava contar a ela? Não, explicou um conselheiro mais tarde, porque o aluno não queria que seus pais soubessem. As políticas distritais e estaduais instruíram a escola a respeitar seus desejos.

“Nunca houve nenhuma palavra de ninguém para nos informar que no papel e na sala de aula, nossa filha era nosso filho”, disse Bradshaw.

Os Bradshaws ficaram surpresos ao se encontrarem em desacordo com a escola sobre seu direito de saber e avaliar um desenvolvimento tão importante na vida de seus filhos, uma disputa que ilustra como os distritos escolares, que há muito são um campo de batalha na cultura conflitos sobre gênero e sexualidade, agora estão enfrentando novas tensões sobre como acomodar crianças transgênero.

Eles aceitaram a nova identidade de gênero de seu adolescente, mas não sem apreensão, especialmente depois que ele pediu hormônios e uma cirurgia para remover os seios. Os médicos já haviam diagnosticado que ele estava no espectro do autismo, bem como com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, estresse pós-traumático e ansiedade. Ele lutou contra a solidão durante a pandemia e, para seus pais, parecia não saber exatamente quem ele era, porque havia mudado repetidamente de nome e orientação sexual.

Dadas essas complexidades, Bradshaw disse que se ressentiu com o fato de a escola tê-la feito sentir-se como uma mãe ruim por se perguntar se os educadores colocaram o adolescente, menor de idade, em um caminho que a escola não estava qualificada para supervisionar.

“Parecia uma facada nas costas pelo sistema escolar”, disse ela.“Deveria ter sido uma decisão que tomamos como uma família”.

O aluno, agora com 16 anos, disse ao The New York Times que sua escola lhe deu um espaço para ser ele mesmo que, de outra forma, lhe faltava. Ele já havia tentado se assumir para seus pais antes, disse ele, mas eles não levaram isso a sério, e é por isso que ele pediu apoio à escola.

Gostaria que as escolas não tivessem que esconder isso dos pais ou fazê-lo sem a permissão dos pais, mas pode ser importante”, disse ele. “As escolas estão apenas tentando fazer o que é melhor para manter os alunos seguros e confortáveis. Quando você é trans, sente que está em perigo o tempo todo. Mesmo que meus pais estivessem aceitando, eu ainda estava com medo, e é por isso que a escola não contou a eles”.

Embora o número de jovens que se identificam como transgêneros nos Estados Unidos permaneça pequeno, quase dobrou nos últimos anos, e as escolas estão sob pressão para atender às necessidades desses jovens em meio a um ambiente político polarizado, onde ambos os lados alertam que um passo errado pode resultar em danos irreparáveis.

A escola pública que o filho de Bradshaw frequenta é uma das muitas em todo o país que permitem que os alunos façam a transição social, mudem de nome, pronomes ou expressão de gênero, sem o consentimento dos pais. Os distritos disseram que querem que os pais se envolvam, mas devem seguir as orientações federais e, em alguns casos, estaduais destinadas a proteger os alunos da discriminação e violações de sua privacidade.

As escolas apontaram pesquisas que mostram que as políticas inclusivas beneficiam todos os alunos, e é por isso que alguns especialistas em educação aconselham as escolas a usar os nomes e pronomes preferidos dos alunos. Os educadores também disseram que se sentem obrigados por sua própria moralidade a afirmar as identidades de gênero dos alunos, especialmente nos casos em que os alunos não se sentem seguros saindo de casa.

Mas dezenas de pais cujos filhos fizeram a transição social na escola disseram ao New York Times que se sentiram vilões por educadores que pareciam pensar que eles — não os pais — sabiam o que era melhor para seus filhos.

Muitos defensores da juventude LGBTQIA+ argumentam que os pais deveriam parar de usar as escolas como bodes expiatórios e, em vez disso, perguntarem-se por que não acreditam em seus filhos. Eles disseram que garantir que as escolas forneçam apoio suficiente para alunos transgêneros é mais crucial do que nunca, devido ao surgimento de leis que bloqueiam o acesso a banheiros, esportes e cuidados de afirmação de gênero.

Essas disputas estão se desenrolando enquanto os republicanos defendem os “direitos dos pais”, um termo genérico para as decisões que os pais tomam sobre a educação de seus filhos. Grupos legais conservadores entraram com um número crescente de ações judiciais contra os distritos escolares, acusando-os de não envolver os pais na educação de seus filhos e nos cuidados de saúde mental. Os críticos dizem que grupos como esses trabalham há muito tempo para deslegitimar a educação pública e erradicar os direitos das pessoas transgênero.

O debate reflete como os interesses dos pais e dos filhos nem sempre se alinham, disse Justin Driver, professor da Escola de Direito de Yale, que escreveu um livro sobre conflitos constitucionais em escolas públicas. “Esses casos ressaltam como esses interesses podem divergir de maneiras espetaculares, mesmo sobre questões centrais de identidade”.

O NYT entrevistou mais de 50 pessoas, incluindo pais e filhos, funcionários de escolas públicas e advogados de grupos de defesa LGBTQIA+ e conservadores. Nos casos em que os pais pediram para permanecer anônimos para proteger a privacidade de seus filhos, o jornal fez grandes esforços para corroborar suas alegações.

Uma mãe na Califórnia compartilhou mensagens que o professor de seu filho adolescente havia enviado através do portal da escola encorajando o aluno a obter assistência médica, moradia e aconselhamento jurídico sem o conhecimento dos pais.

Uma ação movida contra um distrito escolar em Wisconsin incluía uma foto de um panfleto de um professor postado na escola que dizia: “Se seus pais não aceitam sua identidade, agora sou sua mãe”.

Em escolas em estados como Michigan e Nova York, os pais disseram que os professores usaram o novo nome de um aluno em sala de aula, mas o antigo com eles, para que não soubessem da mudança.

Porém, outros estados, como Flórida, Alabama e Virgínia, aprovaram leis abrangentes ou emitiram orientações que proíbem as escolas de reter informações sobre identidade de gênero dos pais.

Alguns professores foram penalizados por notificar os pais de que seus filhos mudaram de nome e pronome na escola. Um pai em Massachusetts, Stephen Foote, disse que só soube que seu filho de 11 anos havia feito isso depois que a professora da criança na sexta série, Bonnie Manchester, confidenciou a ele. Manchester foi demitida mais tarde, em parte por divulgar “informações confidenciais sensíveis sobre a identidade de gênero expressa de um aluno contra a vontade do aluno”, de acordo com sua carta de rescisão.

Foote processou o distrito escolar, acusando-o de violar seus direitos parentais. Um advogado do distrito disse que discordava da versão de Foote dos eventos. Manchester disse que não se arrependia de suas ações.

“Iluminei algo que estava no escuro”, disse Manchester. “Eu estava dispostoa a perder meu emprego”.

Desde 2020, pelo menos 11 ações judiciais alegando que essas políticas violam os direitos dos pais foram movidas contra distritos escolares por pais representados por grupos legais conservadores, como a Alliance Defending Freedom, uma organização com um longo histórico de casos de apoio aos direitos das pessoas gays e transexuais.

Os tribunais decidiram que, de acordo com a Décima Quarta Emenda, os pais podem tomar decisões médicas e de saúde mental para seus filhos, bem como direcionar sua educação e criação de outras maneiras, a menos que sejam abusivos ou inadequados. Mas os advogados das escolas argumentaram que os direitos dos pais não são absolutos.

Sob a administração Biden, o Departamento de Educação disse que discriminar estudantes com base na identidade de gênero viola a política federal, embora sua orientação não aborde especificamente os direitos dos pais.

O filho de Jessica Bradshaw, a mãe do Sul da Califórnia, disse que tem empatia pelos pais que acham difícil aceitar que seus filhos sejam transgêneros. Mas ela também expressou frustração.

“Quando os pais dizem que precisam de tempo ou paciência, pode parecer uma desculpa para eles continuarem confundindo os filhos”, disse ele. “Parece que eles estão de luto por alguém que não está morto, e isso faz você se sentir como se não fosse bom o suficiente.

Ela reiterou que ama seu filho, independentemente do gênero, mas expressou suas próprias frustrações.
“A escola está me dizendo que eu tenho que entrar na onda e ser totalmente solidária”, disse Bradshaw. “Há tanto que estou disposta a fazer agora e espero que, como mãe, essa seja minha decisão”.

Leia também

Quase mil crianças imigrantes seguem separadas dos pais nos Estados Unidos

AFP – Um total de 998 crianças imigrantes separadas de suas famílias durante o manda…