Home Biden O negócio bilionário por trás do contrabando de pessoas para os Estados Unidos
Biden - EUA - Internacional - Mundo - Novo Normal - Policial - Política - 4 semanas atrás

O negócio bilionário por trás do contrabando de pessoas para os Estados Unidos

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) estima que duas das principais rotas de contrabando de migrantes, da África para a Europa e da América do Sul para a América do Norte, geram cerca de US $ 6,75 bilhões anualmente para criminosos que operam nessas regiões

JSNEWS – Enquanto o presidente dos EUA, Joe Biden, viajava na noite de domingo, 8 de janeiro de 2022, de El Paso, Texas, para a Cidade do México, 10 pessoas foram resgatadas por membros do Instituto Nacional de Migração do Mexico (INM). Devido às fortes correntes de água, eles ficaram presos em rochas do Rio Grande, no lado mexicano, enquanto tentavam atravessar a fronteira ilegalmente em direção aos Estados Unidos.

Apesar do endurecimento das políticas de imigração nos Estados Unidos e Mexico, e das recentes medidas dissuasivas anunciadas por Biden e pelo presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), milhares de pessoas continuam a tentar, todos os dias, chegar aos Estados Unidos a qualquer custo.

“Os fatores de pressão que forçam essas pessoas sair de suas casas são muito mais fortes do que qualquer tentativa de dissuasão. A fome, a ameaça de grupos criminosos ou de governos repressivos são mais fortes do que qualquer barreira”, disse Adam Isacson, chefe de questões de segurança de fronteira do centro WOLA de pesquisa em direitos humanos nas Américas.

Milhões por ano para criminosos
De acordo com o relatório de 2022 do Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI), um órgão intergovernamental que atua contra a lavagem de dinheiro e outros crimes, dois terços das pessoas que cruzaram irregularmente do México para os EUA em 2019 foram “guiadas ou acompanhadas por contrabandistas de pessoas”. O resultado: um negócio milionário.

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) estima que duas das principais rotas de contrabando de migrantes, da África para a Europa e da América do Sul para a América do Norte, geram cerca de US $ 6,75 bilhões anualmente para criminosos que operam nessas regiões.

De acordo com um estudo do Conselho Nacional de População do México, os migrantes podem pagar entre US $ 5.000 e US $ 9.600 por sua jornada naquele país (México) e outros US $ 2.200 pela travessia da fronteira acompanhados por um guia até um determinado ponto.

México e Colômbia, dois passos cruciais
O tráfico de pessoas era uma atividade realizada pelos ‘polleros‘, mas, com o tempo, grupos do crime organizado descobriram que os migrantes poderiam ser uma fonte de renda.

Adam Isacson afirma que os grupos do crime organizado, por sua vez, dependem de suas relações com agentes estatais corruptos. “Em quase todas as partes da fronteira, o migrante ou seu ‘pollero’ tem que pagar aos grupos do crime organizado um ‘piso’ ou direito de trânsito, e esses grupos pagam subornos a agentes do Estado. São pouquíssimos os migrantes que conseguem fazer a viagem sem a participação do crime organizado”, conclui o especialista em segurança fronteiriça.

Os carteis de Sinaloa, de Jalisco e os Zetas estão entre os que exploram o contrabando humano. Segundo o consultor de segurança de fronteira, David Saucedo, na cidade mexicana de Juárez, são frequentes confrontos entre os mexicles (braço armado do cartel de Sinaloa) e La Linea, (que trabalha com o cartel de Juárez), em disputa da gestão do tráfico migrantes para os USA.

A inóspita selva de Darién, na fronteira entre Panamá e Colômbia

Na Colômbia, o quadro não é muito diferente. De acordo com Jeremy McDermott, diretor colombiano do think tank de segurança InSight Crime, existem duas organizações por trás do contrabando de migrantes no país: o Tren de Aragua, uma megagangue que lida principalmente com migrantes venezuelanos, e os grupos de milicianos da autodefesa gaitanistas ou Clã del Golfo.

Vítimas de organizações criminosas
“Os migrantes são extremamente vulneráveis à exploração e ao recrutamento pelo crime organizado. A violência de gênero é muito difundida, assim como a extorsão e o roubo”, disse Jeremy McDermott. Somente entre abril de 2021 e maio de 2022, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras atendeu e tratou 420 migrantes, mulheres e homens, que sofreram violência sexual na selva panamenha no estreito de Darién, uma selva tropical ao do Panamá.

No México, de acordo com Saucedo, há diferenças entre os riscos de acordo com as nacionalidades. “Com os mexicanos, o que esses grupos querem é ter uma renda, então eles os deixam passar porque sabem que vão voltar duas ou três vezes por ano.” No entanto, “centro-americanos, cubanos, haitianos ou sul-americanos, que dificilmente retornarão ao México, estes são mais propensos a serem vítimas de outros crimes, como exploração sexual e sequestro para fins econômicos ou para trabalho escravo”, diz ele.

Mãe e filha venezuelanas chegam ao vilarejo de Canaan Membrillo, o primeiro posto de controle fronteiriço da província de Darién, Panamá, em 13 de outubro de 2022 – AFP/Arquivos

Isacson garante que, de acordo com as informações coletadas pelo WOLA, no caso do trânsito pela América Central, “sequestros ou outros assaltos violentos não são tão frequentes”, massubornos por autoridades” são.

Números recordes de migração e mortes
De acordo com os registros do Departamento de Segurança Interna dos EUA – DHS, o país fechou 2022 com números históricos de migração irregular. As patrulhas de fronteira relataram uma média diária de 6.300 encontros com migrantes indocumentados no ano fiscal de 2022 (até setembro). O UNODC estima, no entanto, que as entradas anuais irregulares nos EUA cheguem a mais de 8.200 pessoas todos os dias.

As mortes de migrantes nas passagens de fronteira também atingiram o pico, com 830 apenas do lado dos EUA. De acordo com estatísticas do projeto “Migrantes Desaparecidos” da Organização Internacional para as Migrações (OIM), as mortes e desaparecimentos no ano passado foram 521 na fronteira EUA-México e 195 na rota Cuba-EUA.

(Foto: Frame vídeo Redes Sociais)

O relatório indica que a violência nessas rotas é a segunda causa mais comum de morte na travessia pelo México, representando mais de 10% do total de mortes e desaparecimentos de migrantes registrados desde 2014 nas Américas.

Mas, na opinião de David Saucedo, o impacto do contrabando de migrantes e da violência que sofrem é difícil de medir se considerarmos que eles têm receio de denunciar esses abusos porque eles próprios estão a cometendo um delito e correm o risco de serem deportados. E a isso se acrescenta-se a corrupção das instituições do Estado: “Muitos membros do Instituto Nacional de Migração [INM no Mexico] foram cooptados pelas as redes de tráfico, então uma queixa pode significar para esses migrantes, uma sentença de morte”.

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…