Home Biden Plano de Biden para perdoar empréstimos estudantis custará US$ 400 bilhões aos contribuintes, estima CBO
Biden - Economia - Mundo - Política - 09/27/2022

Plano de Biden para perdoar empréstimos estudantis custará US$ 400 bilhões aos contribuintes, estima CBO

Grupo que defende déficits mais baixos, disse que as previsões do Congressional Budget Office - CBO confirmam "o custo ultrajante" do plano de Biden

JSNEWS – O plano do presidente Joe Biden para abater US$ 10.000 da conta de cada estudante que contraiu empréstimos para pagar os estudos custará ao governo federal (contribuintes) cerca de US$ 400 bilhões, informou o Congressional Budget OfficeCBO (Escritório de Orçamento do Congresso), uma comissão pluripartidária, nessa segunda-feira, 26.

A avaliação do CBO sobre a política do governo disse que o valor estimado é “resultado da ação que cancela até US$ 10.000 da dívida emitida até de 30 de junho de 2022”.

O plano do presidente Biden contempla o perdão da dívida para ex-alunos e alunos que contraíram empréstimos e que estão numa faixa de “renda abaixo de certos limites específicos” e o perdão de US$ 10.000 para aqueles que receberam empréstimos pelo programa Pell Grant, disse o diretor da CBO, Phillip Swagel a rede NBC NEWS.

No final de junho deste ano, cerca de 43 milhões de mutuários detinham US$ 1,6 trilhão em empréstimos estudantis federais e cerca de US$ 430 bilhões dessa dívida serão cancelados, estimou o CBO.

A Casa Branca respondeu o estudo realizado pela CBO que a estimativa de US$ 400 bilhões era “altamente incerta”.

“CBO chamou sua própria estimativa de ‘altamente incerta’. Nós concordamos'”, disse a Casa Branca em um memorando.

“Por lei, o orçamento federal calcula o custo total do auxílio ao empréstimo estudantil ao longo da vida útil dos empréstimos e, em seguida, registra esse custo no ano em que os empréstimos são modificados”, continuou o memorando. “Mas não é assim que este programa afetará o resultado final. O custo para o governo não é a pontuação de longo prazo, mas sim, os recibos anuais perdidos.”

Em uma declaração conjunta, o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, D-N.Y., e a senadora Elizabeth Warren, d-Mass., argumentaram que a estimativa do CBO deixou claro que os americanos de classe média terão “mais espaço para respirar”.

“Em contraste com o presidente Trump e os republicanos que deram às corporações gigantes US$ 2 trilhões em incentivos fiscais, o presidente Biden deu um alívio transformador da classe média ao cancelar a dívida estudantil para os trabalhadores que mais precisam — quase 90% dos dólares de ajuda irão para aqueles que ganham menos de US$ 75.000 por ano”, disseram eles.

“Não concordamos com todas as suposições do CBO, mas é claro que a pausa de pagamento durante a pandemia e o cancelamento da dívida estudantil são políticas que demonstram como o governo pode e deve investir em pessoas trabalhadoras, não nas corporações ricas e bilionárias”, acrescentaram os dois democratas.

No entanto, o Comitê para um Orçamento Federal Responsável, um grupo que defende déficits mais baixos, disse que as previsões do CBO confirmam “o custo ultrajante do plano de empréstimo estudantil de Biden.

“As estimativas do CBO ajudam a confirmar que o plano de dívida estudantil do presidente acabaria com a economia de dez anos da Lei de Redução da Inflação, pioraria as pressões inflacionárias e traria benefícios para milhões de americanos com diplomas avançados em famílias de renda mais alta”, disse sua presidente, Maya MacGuineas. “Esta pode ser a ação executiva mais cara da história. É inaceitável que o presidente o implemente sem compensações e sem aprovação do Congresso.”

O plano de Biden também exige a prorrogação de uma pausa nos pagamentos até o final do ano a um custo estimado de US$ 20 bilhões, atraiu críticas igualmente acentuadas dos republicanos que argumentam que isso aumentará a inflação.

Os legisladores do GOP (Republicanos) destacaram um custo adicional aos contribuintes a apenas algumas poucas semanas das eleições de meio de mandato numa inflação historicamente alta. “O resgate da dívida estudantil da Administração Biden é ainda mais caro do que pensávamos inicialmente”, tuitou o representante Andy Biggs, R-Ariz. “O resgate atual custará aos americanos US$ 420 bilhões, de acordo com o CBO. Esta é provavelmente a ação executiva mais cara da história americana.”

A representante Mariannette Miller-Meeks, r-Iowa, tuitou: “O presidente Biden não está perdoando empréstimos estudantis — ele está cobrando US$ 400 bilhões dos americanos trabalhadores”.

Leia também

SOS da Vida – Paz interior III

Por: Eliana Pereira Ignacio – Olá, meus caros leitores hoje venho encerrar nossa min…