Home Biden Policiais que atenderam ao tiroteio em Uvalde-Texas ‘não priorizaram salvar vidas mas apenas própria segurança’, diz investigação
Biden - Local - Massacre - Mundo - 07/18/2022

Policiais que atenderam ao tiroteio em Uvalde-Texas ‘não priorizaram salvar vidas mas apenas própria segurança’, diz investigação

JSNEWS – Cerca de 400 policiais que responderam ao tiroteio na escola de Uvalde, no estado americano do Texas, não confrontaram o atirador de forma devida durante mais de uma hora, o que pode ter contribuído para o elevado numero de vitimas em que 19 pessoas foram mortas, informa um relatoria que de uma comissão da câmara do estado do Texas que investiga o massacre.

“Na Robb Elementary [local do tiroteio], os policiais não aderiram ao treinamento contra atiradores ativos, e não priorizaram salvar vidas inocentes para não se colocarem em risco”, diz o relatório.

Respondendo à cena de tiroteio em massa em 24 de maio na cidade do Texas estavam 376 policiais: 149 policiais da Patrulha de Fronteira; 91 membros da Secretaria estadual de Segurança Pública; 14 do Departamento de Segurança Interna; 25 do Departamento de Polícia de Uvalde; 16 do Departamento de Polícia de San Antonio e outros 16 do Gabinete do Xerife do Condado de Uvalde, de acordo com o relatório divulgado no domingo.

Salvador Ramos, o suposto autor do tiroteio que matou 19 crianças e dois adultos em uma escola primária em Uvalde, no Texas

No entanto, o pequeno exército lá reunido apresentou “falhas sistêmicas e má tomada de decisão” que contribuíram para o trágico desastre, disseram. “Nesta crise, nenhum atendente tomou a iniciativa de estabelecer um posto de comando de incidentes”, diz o relatório.

“Apesar de uma atmosfera óbvia de caos, os oficiais não se reuniram com o chefe de polícia de Uvalde [distrito escolar] ou qualquer outra pessoa que estava no comando daquela emergência, não havia um posto de comando para oferecer essa assistência específica”, diz o relatório.

O relatório observou que pelo menos um policial de Uvalde tinha ouvido as chamadas do 911 vindas de dentro da sala de aula e sabia que estudantes gravemente feridos estavam presos lá dentro.

“É provável que a maioria das vítimas mortas tenha morrido imediatamente durante a barragem inicial de tiros do agressor. No entanto, dadas as informações conhecidas sobre as vítimas que sobreviveram até o momento da invasão é aceitável que algumas vítimas poderiam ter sobrevivido se não tivessem que esperar mais 73 minutos para o resgate”, diz o relatório.

O presidente do comitê da Câmara do Texas, Dustin Burrows, disse em uma coletiva de imprensa no domingo: “Havia oficiais que sabiam ou deveriam saber que mais deveriam ter sido feito”. “Se eles não assumiram o comando, eles deveriam ter, no mínimo, oferecido apoio e orientação.”

O painel da Câmara disse que haverá outras “comissões investigativas” para apurar por que a polícia não agiu para eliminar o atirador e rapidamente .

Vincent Salazar, avô da morta Layla Salazar, de 11 anos, disse à Associated Press sobre os socorristas no domingo: “É uma piada. Eles são uma piada. Eles não têm o direito de usar um distintivo. Nenhum deles tem essa capacidade”.

Crianças sobem em um ônibus escolar enquanto policiais guardam a cena de um suspeito de atirar perto da Escola Primária Robb em Uvalde, Texas, 24 de maio de 2022.
Marco Bello/Reuters

As descobertas também descrevem uma série de “deficiências e falhas do Distrito Escolar Independente Consolidado de Uvalde e de várias agências e oficiais da aplicação da lei”, embora o único “vilão que o comitê encontrou foi o próprio atirador.

“Não há ninguém a quem possamos atribuir malícia, covardia ou motivos doentios. Em vez disso, encontramos falhas sistêmicas e má tomada de decisões”, diz o relatório.

O relatório veio à tona quando as famílias das vítimas da chacina foram informadas que o chefe de polícia interino de Uvalde foi suspenso. O prefeito de Uvalde, Don McLaughlin, compartilhou a notícia da suspensão do chefe no domingo com as famílias durante uma reunião entre eles e o comitê de investigação.

O tenente suspenso Mariano Pargas era o oficial de alto escalão do Departamento de Polícia de Uvalde no dia do massacre.

A investigação da Comissão da Câmara do Estados do Texas, que estava em andamento há cerca de um mês, incluiu depoimentos de aproximadamente 40 pessoas, incluindo funcionários da escola, o superintendente distrital, membros do Departamento de Segurança Pública do Texas e o chefe de polícia do distrito escolar.

Embora haja um descontentamento pela resposta das autoridades ao tiroteio tenha sido centrada em grande parte na polícia local, o comitê de investigação descobriu que o distrito escolar e as autoridades estaduais e federais também foram apontados pelas falhas que podem ter contribuído para o elevado numero de vitimas.

Os funcionários da Escola Primária Robb desrespeitaram suas próprias diretrizes de segurança colocadas em prática deixando as portas destrancadas ou apoiadas por falta de chaves, disse o relatório. Ainda mais alarmante, “o distrito escolar não tratou corretamente a manutenção de portas e fechaduras com a urgência adequada”, e acrescentando que “funcionários e alunos conheciam amplamente a porta de uma das salas de aula vitimadas … era normalmente inseguro e acessível”. “A Robb Elementary tinha uma cultura de descumprimento de políticas de segurança que exigiam que as portas fossem mantidas trancadas, o que acabou sendo fatal”, disseram os investigadores.

A escola também tinha um sistema WiFi de má qualidade, que impactava o acesso a um aplicativo que é usado para notificar funcionários de emergências dentro e ao redor do prédio, observou o a investigação.

Quando os alertas de emergência foram emitidos pelo aplicativo, “os trabalhadores da escola frequentemente não tinham senso de urgência devido à frequência dessas emergências sobre a proximidade da escola com a fronteira mexicana”, disse o comitê.

A cerca de 1,80 m da escola também era “inadequada para impedir significativamente um intruso”, diz o relatório.

A descoberta também revelou mais detalhes importantes sobre a educação do atirador, Salvador Ramos, e quais fatores o levaram a um “caminho sombrio”.

A mãe de Salvador Ramos, referida como “A.R.” na investigação, tinha histórico de abuso de drogas e tinha dois delitos, um por roubo e outro por agressão à violência familiar. Seu pai estava em grande parte ausente de sua vida.

À medida que os alunos voltavam ao aprendizado presencial após o bloqueio do COVID-19, Ramos saiu da escola, segundo o relatório. Aos 17 anos, ele só tinha completado o primeiro ano do ensino médio e tinha notas ruins. Ele também tinha um distúrbio alimentar.

“Um ex-namorado de sua mãe A.R. descreveu o agressor a um texas ranger”, diz o relatório. Sem carteira de motorista ou carro, ele foi deixado sozinho e passou a maior parte do tempo online e jogando videogames violentos.

Foi durante esse tempo que Ramos “começou a demonstrar interesse em sexo e jogos violentos, assistindo e às vezes compartilhando vídeos e imagens de suicídios, decapitações, acidentes, e … enviando mensagens explícitas inesperadas para outros on-line”, detalhou o relatório. Ele ficou obcecado com tiroteios em escolas e na plataforma de streaming francesa Yubo, seus “amigos online” o chamavam de “atirador escolar de Yubo”. “Mesmo aqueles que ele conhecia pessoalmente em seu grupo de bate-papo local começaram a chamá-lo de ‘o atirador da escola‘.”

Leia também

Biden avalia reviver restrições de imigração da era Trump, dizem autoridades dos EUA

REUTERS – O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, dificultará a solicita…