Home Biden Preço da ‘viagens VIP’ para cruzar ilegalmente a fronteira dos USA a custou a vida de dois imigrantes no Texas
Biden - EUA - Imigração - Local - Mundo - 08/01/2022

Preço da ‘viagens VIP’ para cruzar ilegalmente a fronteira dos USA a custou a vida de dois imigrantes no Texas

Em 27 de junho, o tratamento especial terminou: abarrotado e ofegante por ar na parte de trás de um baú de uma carreta com 18 rodas, eles morreram asfixiados em San Antônio, no estad0s americano do Texas, outros quase 60 outros imigrantes tiveram o mesmo o fim no que foi o mais mortal incidente de contrabando dos EUA dos últimos tempos.

JSNEWS – Inicialmente, os migrantes mexicanos Pablo Ortega e Julio Lopez desfrutaram do equivalente a um contrabando de primeira classe para os Estados Unidos com algumas regalias que incluíam bebidas de cortesia, esconderijos com videogames e comida farta.

Ambos haviam emprestado milhares de dólares e pago uma quantia extra para garantir o que os contrabandistas prometeram que seria uma viagem confortável evitando os piores perigos das travessias ilegais da fronteira.

Em 27 de junho, o tratamento especial terminou: abarrotado e ofegante por ar na parte de trás de um baú de uma carreta com 18 rodas, eles morreram asfixiados em San Antônio, no estad0s americano do Texas, outros quase 60 outros imigrantes tiveram o mesmo o fim no que foi o mais mortal incidente de contrabando dos EUA dos últimos tempos.

O motorista do caminhão onde morreram 51 imigrantes é identificado como Homero Z. Ele foi preso na área da tragédia e tentou se passar por uma das vítimas. O caminhão aparece aqui passando por um ponto de fiscalização em Nuevo Laredo.

Suas viagens, reconstruídas pela agencia de noticias Reuters através de dezenas de textos, fotos e mensagens de vídeo com suas famílias, fornecem uma rara janela para o mundo do contrabando humano: um comércio bilionário cada vez mais mortal.

À medida que controles mais rígidos levam os migrantes a correrem riscos maiores, especialistas dizem que os contrabandistas estão cada vez mais vendendo rotas mais caras que anunciam comoseguras“, “especiais” ou “VIP“. Essas opções geralmente prometem transporte de veículos em vez de caminhar pelo deserto, bem como estadias mais confortáveis.

Ortega concordou em pagar US$ 13.000 e Lopez US$ 12.000, disseram suas famílias. Isso é muito acima da média de US$ 2.000 a US$ 7.000 para mexicanos.

Embarcando separadamente em suas buscas por uma vida melhor, disseram-lhes que viajariam sozinhos ou em pequenos grupos. Pelo menos outra vítima, Jazmin Bueso, 37, de Honduras, também pagou pela viagem mais cara, disse seu irmão à Reuters.

Ortega, um jovem de 19 anos de idade ostentando bonés de beisebol sobre seu cabelo escuro, deixou em meados de maio sua casa em Tlapacoyan – uma cidade montanhosa no estado sudeste de Veracruz cercada por plantações de bananas.

Sua namorada estava grávida e Ortega estava determinado a chegar à Flórida onde sua mãe morava. Lá ele poderia ganhar dinheiro para enviar para casa para cuidar de seu futuro primeiro filho e economizar para construir um imovel.

‘GARANTIDO, 100% SEGURO’

Lopez partiu em 8 de junho de Benito Juarez, no sul do estado mexicano de Chiapas. Um trabalhador da serraria, 32 anos, magro e com olhos escuros, Lopez esperava enviar dinheiro para casa para cuidar do autismo do filho mais novo, o nome do filho, Tadeo, foi tatuado em braço esquerdo.

“Você não vai passar pelo deserto … não haverá perigo”, lembrou Adriana Gonzalez ao ouvir o contrabandista dizer ao marido por telefone antes de sair. “A viagem que você é garantida, 100% segura.”

A violência, a pobreza e o COVID-19 aceleraram a migração da América Latina para os Estados Unidos. As travessias do México atingiram um recorde de 1,7 milhão até agora neste ano fiscal até junho, enquanto as mortes foram as piores já registradas em 728 no ano passado e parecem ter ritmo, se não superarem isso em 2022.

Buscando evitar a infraestrutura de controle de fronteiras dos EUA, os contrabandistas estão se voltando para métodos mais arriscados, incluindo um boom no uso de carretas com 18 rodas.

As mortes nas fronteiras relacionadas a veículos e transportes cresceram mais rapidamente do que qualquer outra causa, entre 2020 e 2021, segundo dados das Nações Unidas.

Para pagar a taxa de contrabando, a mãe de Ortega, Rafaela Alvarez, 37, vendeu uma casa móvel. Mas quando ele chegou à fronteira, os observadores disseram que queriam mais US$ 2.000 para levá-lo em uma rota mais segura evitando o deserto, cruzando o rio Grande e andando em um compartimento de dormir de caminhão com outros três para Houston.

Alvarez penhorou joias de ouro para conseguir o dinheiro extra. Ela se lembra especificamente de avisar seu filho para não entrar em um trailer lotado.

Durante as duas semanas seguintes, Ortega enviou fotos e vídeos de uma casa espaçosa e bem decorada onde ele jogava videogames e contrabandistas o tratavam com pizza e cerveja Tecate enquanto esperavam a presença da patrulha de fronteira diminuir.

Ortega finalmente cruzou o Rio Grande em 29 de maio, mas um agente americano o pegou passando pela margem do rio e o mandou de volta para o México. Lopez também não conseguiu atravessar a primeira vez.

Depois de voar para a cidade de Monterrey, no norte do México, contrabandistas o levaram para a cidade fronteiriça de Matamoros.

Por quatro dias, Lopez ficou em uma pequena casa de concreto quente com outros dois migrantes. Em seguida, contrabandistas guiaram Lopez através do Rio Grande em um barco e em um carro, assim como ele havia sido prometido. Mas no dia seguinte, os oficiais da fronteira pararam o carro e devolveram Lopez ao México.

Em 14 de junho Lopez cruzou a fronteira, desta vez com sucesso.

No Texas, ele caminhou três horas pelo deserto até uma cabana de caça particular perto de Laredo, onde ficou cerca de uma semana. Um vídeo que Lopez enviou para sua esposa mostra uma grande casa de madeira, decorada com uma bandeira americana.

Durante este tempo, Ortega estava tentando atravessar. Mas as águas altas do rio dificultaram. Em certo momento, ele viu um migrante se afogar na forte correnteza.

Em 17 de junho, ele vestiu um colete salva-vidas vermelho, mostrou um polegar para cima em uma selfie e subiu em um pequeno barco inflável para o que seria, finalmente, uma viagem de sucesso.

Um dia depois, ele comemorou seu aniversário de 20 anos com um sanduíche de maionese em um esconderijo no Texas. Embora agora em solo americano, a jornada de Ortega não tinha acabado: a Patrulha de Fronteira mantém postos de controle até 160 km próximo a fronteira.

Em 21 de junho, Lopez fez uma última chamada para alertar sua família de que os contrabandistas logo confiscariam seu telefone. Eles estavam prestes a levá-lo para outro rancho onde ele esperaria alguns dias antes de ser contrabandeado através de um posto de controle interior a caminho de San Antonio, disse Lopez a Gonzalez.

“Diga aos meus filhos que os amo e se eu conseguir passar, tudo será diferente”, lembrou Gonzalez dizendo Lopez.

No dia seguinte, Ortega, ainda em seu esconderijo no Texas, disse à mãe que estava começando a se preocupar com o número de migrantes que chegavam. “Já somos uma tonelada de pessoas”, escreveu ele.

Então a comunicação cessou.

TRAILER ABANDONADO

Às 14h50 de 27 de junho, um caminhão de carga de 18 rodas com uma cabine Volvo vermelha de 1995 passou por um posto de controle do governo dos EUA perto de Encinal, Texas, 40 milhas ao norte de Laredo.

Uma fotografia de vigilância obtida pelas autoridades mexicanas e publicada em um relatório de instruções captura o motorista, vestido com uma camisa listrada preta, inclinando-se para fora da janela com um sorriso largo.

Pouco antes das 18h, um trabalhador em uma área industrial nos arredores de San Antonio, mais de 160 km mais ao norte, ouviu um pedido de socorro, que ele seguiu até um trailer abandonado ao lado de uma estrada, de acordo com as autoridades locais.

Os socorristas chegaram minutos depois. As portas parcialmente abertas do trailer revelaram pilhas de corpos quentes ao toque, disseram as autoridades. Outros corpos foram encontrados espalhados pelo chão e em uma escova próxima, mostram documentos do tribunal.

As temperaturas em San Antonio haviam aumentado para 103 graus Fahrenheit (39,4 graus Celsius) naquela tarde, mas os socorristas não encontraram água ou ar condicionado dentro do trailer.

A contagem de mortes acabou aumentando para 53, incluindo 26 mexicanos, 21 guatemaltecos e seis hondurenhos. A polícia encontrou o motorista suspeito escondido perto das vítimas, supostamente sob a influência de metanfetamina (Fentanil).

Um júri dos EUA indiciou quatro homens sob acusações relacionadas ao incidente, que vão desde posses ilegais de armas de fogo até acusações de contrabando que poderiam ser puníveis com prisão perpétua ou sentença de morte.

Ao anoitecer, as notícias horríveis se espalharam pelo México e América Central.

Por mais de uma semana, os contrabandistas de Lopez alimentaram as esperanças de sua família de que ele ainda estava vivo até Gonzalez identificar o corpo de seu marido através de fotografias em 5 de julho.

Desde sua morte, Gonzalez disse que ela não tem condições de pagar os cuidados com seu filho autista.

Alvarez, temendo o pior, ligou para os contrabandistas de Ortega mais de 30 vezes para tentar confirmar que seu filho estava vivo. Eles bloquearam o número dela.

Quando Alvarez viajou para San Antonio para identificar o corpo de Ortega, foi a primeira vez que viu seu filho desde 2014.

No funeral em sua cidade natal, uma balada tocava lembrando migrantes que sufocavam em um vagão do Texas há 35 anos. A família de Ortega lançava rosas vermelhas na sepultura enquanto a letra ecoava: “O ar começou a se esgotar, e não havia nada que pudessem fazer. Ninguém ouviu aqueles gritos de socorro”.

O bebê dele nascerá em 31 de dezembro.

Leia também

Biden avalia reviver restrições de imigração da era Trump, dizem autoridades dos EUA

REUTERS – O governo do presidente norte-americano, Joe Biden, dificultará a solicita…