Home Bizarro Profissionais do sexo se reúnem em Davos para atender a elite global, preço do ‘atendimento’ chega a $2,500 durante a cúpula
Bizarro - EUA - Internacional - Mundo - Novo Normal - 1 semana atrás

Profissionais do sexo se reúnem em Davos para atender a elite global, preço do ‘atendimento’ chega a $2,500 durante a cúpula

Que Davos receba prostitutas de braços abertos não é surpresa para ninguém, desde 2020, uma investigação da mídia britânica descobriu que pelo menos uma centena de "companheiros e companheiras" viajaram para a cidade para atender as demandas da cúpula daquele ano.

JSNEWS – A elite que se reúne todos os anos em Davos, na Suíça, em buscas das soluções para os maiores problemas que afligem a humanidade, como a pobreza, as desigualdades sociais e gênero, fez disparar a demanda por serviços sexuais nessa cidade suíça, onde a prostituição é legal.

Alguns dias antes da ativista Greta Thunberg acusar os delegados do Fórum Econômico Mundial de priorizar a ganância individual acima da sobrevivência do planeta e das pessoas, uma profissional do sexo revelou à mídia local que os participantes da cúpula lhe pagavam até US $ 2.500 por uma noite de prazeres.

Que Davos receba prostitutas de braços abertos não é surpresa para ninguém, desde 2020, uma investigação da mídia britânica descobriu que pelo menos uma centena de “companheiros e companheiras” viajaram para a cidade para atender as demandas da cúpula daquele ano.

Eles se vestem como executivos para não atrair a atenção

Como os/as convidadas do Fórum Econômico, os/as profissionais do sexo viajam para Davos de outras cidades e alugam quartos nos hotéis disponibilizados no evento. Uma vez lá dentro, eles/elas se vestem como executivos e convivem com líderes mundiais, magnatas e outros empresários.

Uma profissional do sexo que pediu para se chamar Liana disse ao tabloide alemão Bild que ela geralmente prefere não se destacar entre os convidados, e que conseguiu ganhar uma clientela fiel que ela “vê várias vezes por ano”.

Entre seus clientes regulares está um americano que visita a Suíça como parte dos 2.700 participantes da conferência mundial. Liana cobra cerca de 700 euros (US $ 760) por uma hora e 2.300 euros (US $ 2.500) por toda a noite. A tarifa Liana não cobre despesas de viagem, que devem ser suportadas pelos clientes.

Delegados “reservam” prostitutas para si e seus funcionários
A gerente de um serviço de acompanhante em Argóvia, a mais de 160 quilômetros da cúpula, disse ao jornal suíço 20 Minuten que, para esta cúpula, recebeu 11 reservas e 25 consultas. “Alguns reservam acompanhantes para si e também para seus funcionários, e eles vão festejar na suíte do hotel”, disse.

Salome Balthus, profissional do sexo e escritora, disse que “ter um encontro na Suíça durante a cúpula significa estar ciente dos seguranças armados no corredor do hotel às 2 da manhã e, em seguida, compartilhar com eles os chocolates que eles dão no restaurante e fofocar sobre os ricos.”
A profissional do sexo de 36 anos, que está hospedada em um hotel perto de Davos, se recusou a revelar quem são seus clientes mais influentes. “Acredite em mim, você não quer entrar em um litígio com eles”, argumentou.

Por outro lado, Balthus disse que, embora ela geralmente namore homens poderosos, é “improvável” que os políticos em particular solicitem os serviços de uma prostituta porque “eles não têm tempo ou desejo”.
“Você tem que escolher entre sexo ou poder político”, disse. “Este último é mais forte, não deixa espaço para outros interesses e devora as pessoas completamente.”

A Cúpula de Davos
Entre os temas de discussão que serão tratados na cúpula até sexta-feira, estão a guerra na Ucrânia, as taxas de inflação global, as mudanças climáticas e a desigualdade. Ao mesmo tempo, acordos comerciais no valor de bilhões serão ali finalizados.

Até agora, as sessões também se concentraram em outros tópicos tão diversos quanto a paridade de gênero, o retorno à industrialização da Europa, a transição para a energia limpa, os esforços para acabar com a tuberculose nos países de terceiro mundo e o acesso universal a alimentos, água e energia.

É esperado a presença de quase 600 chefes executivos e mais de 50 chefes de Estado ou de governos ao longo da semana.

Críticas ao Fórum Econômico Mundial em Davos
O Fórum Econômico Mundial é amplamente criticado por aqueles que argumentam que os participantes estão muito desconectados da realidade ou muito interessados em ganho próprio ou poder.

Ativistas ambientais estão do lado de fora do centro de conferências de Davos desde domingo tentando chamar a atenção dos líderes empresariais para questões sócios-ambientais.

Leia também

Imigrantes ilegais se esconderam debaixo de uma casa para fugirem da “la migra” e são presos

Um grupo de imigrantes indocumentados que tentava fugir da Patrulha de Fronteira (Border P…