Home Imigração Reino Unido avança com proposta para enviar de imigrantes para Ruanda enquanto considera seus pedidos de asilo
Imigração - Internacional - Mundo - 08/15/2022

Reino Unido avança com proposta para enviar de imigrantes para Ruanda enquanto considera seus pedidos de asilo

JSNEWS – Abrigado em um centro de detenção no sul da Inglaterra, um jovem sírio, que prefere não ser identificado, disse a agencia REUTERS de noticias que arriscou a vida para viajar milhares de quilômetros de sua terra natal para não ser forçado a lutar no exército do presidente Bashar al-Assad que combate insurgentes no norte do pais.

O jovem de 21 anos está lutando para ficar na Grã-Bretanha e evitar ser enviado para para Ruanda, onde o governo britânico quer enviar migrantes que cruzam o canal da Mancha em pequenos barcos vindos da França.

“É o fim do mundo para mim, não consigo imaginar”, disse ele à Reuters por telefone através de um intérprete. Ele é um dos 130 migrantes que inicialmente, serão enviados à Ruanda após esgotar os recurso legais no tribunais britânicos..

Ele é só mais um entre os mais de 20.000 imigrantes que fizeram a perigosa travessia de 20 milhas da França para a Grã-Bretanha este ano em pequenos barcos através do Canal da Mancha, cruzando uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo.

O status de migrantes como deste jovem sírio será objeto de um desafio legal na Alta Corte de Londres no início de setembro, quando uma coalizão de grupos de direitos humanos e um sindicato argumentarão que a política de enviar imigrantes à Ruanda é inviável e antiética.

Governos de todo o mundo estão lutando com um fluxo de refugiados fugindo de países devastados pela guerra ou perseguição em suas terras. A Grã-Bretanha é o último país a tentar terceirizar a solução de requerentes de asilo.

A Dinamarca assinou um acordo semelhante sobre as deportações com Ruanda, mas ainda não enviou nenhum migrante para lá.

A Grã-Bretanha retratou sua política como humana, dizendo que destruirá o modelo de negócios dos contrabandistas de pessoas e acabará com a emergência que viu pelo menos 166 pessoas morrerem ou desaparecerem, com 27 se afogando no pior acidente em novembro do ano passado.

Mas tem atraído críticas generalizadas das Nações Unidas e até mesmo herdeiro do trono, príncipe Charles – enquanto o Tribunal Europeu de Direitos Humanos emitiu liminares para forçar o cancelamento do primeiro voo de deportação horas antes de sair em junho.

A política também é ofuscada pela escala do desafio.

Até agora, Ruanda também criou apenas um albergue para aceitar a chegada do Reino Unido, com capacidade para cerca de 100 pessoas, representando 0,35% de todos os migrantes que chegaram à Grã-Bretanha no ano passado.

Um funcionário britânico disse que o governo estava em negociações para adquirir outros três ou quatro albergues em Kigali, mas mesmo esses só forneceriam acomodações para cerca de 1,6% das chegadas do ano passado.

“Não vou fingir que a política do Ruanda é a única bala mágica, mas acho que pode fazer uma grande diferença”, disse o ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson durante uma visita a Ruanda para uma reunião de líderes da Comunidade em junho.

DESUMANO E DESACOSALHADO

Enquanto isso, os requerentes de asilo continuam chegando, com 696 apenas em 1º de agosto. Um relatório da comissão de assuntos internos do Parlamento disse no mês passado que não havia evidências de que a ‘política de Ruanda’ estava dissuadindo os requerentes de asilo.

Os números vêm aumentando há vários anos.

Em 2021, 28.526 pessoas foram detectadas chegando em pequenos barcos – com o maior número do Irã, seguido pelo Iraque, Eritreia e Síria. Isso foi de 8.466 em 2020, 1.843 em 2019 e 299 em 2018, contribuindo para o custo anual de 1,5 bilhão de libras (US$ 1,83 bilhão) ao sistema de asilo britânico.

Johnson disse que as autoridades acreditavam que um recorde de 60.000 solicitantes de asilo poderiam chegar à Grã-Bretanha este ano.

Um porta-voz do governo britânico descreveu a situação atual como “inaceitável e insistiu que a estratégia era necessária para impedir que as pessoas “fizessem viagens perigosas, desnecessárias e ilegais”.

A Grã-Bretanha argumenta que 90% dos solicitantes de asilo que fazem a viagem são homens, muitos deles migrantes econômicos em vez de refugiados genuínos.

No Hope Hostel, em Kigali, as chegadas são recebidas com uma placa em inglês lendo “Venha como convidado, saia como amigo”.

“Como você pode ver, as pessoas vão achar muito confortável aqui”, disse a gerente Elisee Kalyango sobre seu albergue, empoleirado em uma encosta nos arredores da cidade, com suas placas impressas em inglês, árabe, farsi e albanês.

Cerca de 20 pessoas são empregadas para manter os quartos limpos, a grama aparada e as instalações em funcionamento, embora não haja hóspedes.

O plano é que os deportados passem nove meses lá, com um subsídio mensal de cerca de 90 libras, enquanto têm seus pedidos de asilo considerados antes de serem transferidos para moradia permanente no Ruanda.

Leia também

Senadora Kyrsten Sinema (Dem-AZ) deixará o Partido Democrata para se registrar como independente

JSNEWS – A senadora pelo estado do Arizona, Kyrsten Sinema (Democrata) disse, nessa …