Home Bizarro Rússia oferece liberdade a criminosos condenados se eles lutarem na Ucrânia
Bizarro - Massacre - Mundo - Novo Normal - Política - 08/11/2022

Rússia oferece liberdade a criminosos condenados se eles lutarem na Ucrânia

Da Redação – Promessas de liberdade e riqueza são feitas aos condenados em celas apertadas. Ligações telefônicas frenéticas acontecem entre parentes e detentos avaliando a oferta. Em seguida, os prisioneiros desaparecem, deixando seus entes queridos vasculhando relatos de feridos chegando aos hospitais.

Esta cena está acontecendo nas comunidades de condenados em toda a Rússia. Com um exército regular enfraquecido após quase seis meses de uma invasão desastrosamente executada e sangrenta da Ucrânia, há evidências crescentes de que o Kremlin está fazendo escolhas feias em sua guerra feia e recrutando prisioneiros da Rússia para lutar.

Ao longo de uma investigação de um mês, a CNN conversou com os presos envolvidos no mais novo esquema de recrutamento da Rússia, junto com seus parentes e amigos. Ativistas acreditam que centenas foram abordados em dezenas de prisões em toda a Rússia – de assassinos a infratores de drogas.

Alguns até foram retirados da prisão onde um americano de alto nível preso na Rússia, Paul Whelan, está detido. Seu irmão, David, disse em um comunicado em julho que ouviu que dez voluntários deixaram o IK17 na Mordóvia para as linhas de frente na Ucrânia.

Dezenas de mensagens de bate-papo entre parentes, analisadas pela CNN, detalham as tentadoras recompensas oferecidas para lutar na Ucrânia, onde o risco de morte é alto. As últimas avaliações ocidentais sugerem que até 75 mil soldados russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão (uma afirmação que o Kremlin negou).

Um prisioneiro falou com a CNN de sua cela apertada, um gato rastejando em beliches e um ventilador preso em cima de uma televisão velha tentou esfriar o ar entre as janelas fortemente gradeadas. Preso por vários anos por delitos de drogas, ele falou sob condição de anonimato usando um smartphone contrabandeado – bastante comum no sistema prisional da Rússia – para descrever as condições oferecidas.

“Eles aceitarão assassinos, mas não estupradores, pedófilos, extremistas ou terroristas”, disse. “Anistia ou perdão em seis meses está em oferta. Alguém fala em 100 mil rublos por mês (cerca de R$ 8 mil), outros 200 mil. Tudo é diferente.” Ele disse que a oferta foi feita quando homens não identificados, que se acredita serem parte de uma empresa de um empreiteiro militar privado, chegaram à prisão na primeira quinzena de julho, e que a aceitação no programa levaria a duas semanas de treinamento na região de Rostov, no sul da Rússia. Embora tenha servido dois anos nas forças armadas, ele disse que os recrutadores não pareciam insistir na experiência militar.

“No meu caso, se for real, então sou a favor”, disse o prisioneiro. “Pode fazer uma grande diferença para mim: ficar preso por quase uma década ou sair em seis meses, se tiver sorte. Mas isso é se você tiver sorte. Eu só quero ir para casa para as crianças o mais rápido possível. Se esta opção for possível, por que não?”

O recluso disse que 50 presos já tinham sido selecionados para recrutamento e colocados em quarentena na prisão, mas soube que 400 se candidataram. Ativistas de direitos humanos que trabalham no sistema penitenciário russo disseram desde o início de julho que foram inundados com relatórios de toda a Rússia de parentes ansiosos, preocupados com o destino de seus presos.

“Nas últimas três semanas [em julho], houve uma onda muito grande desse projeto para recrutar milhares de prisioneiros russos e enviá-los para a guerra”, disse Vladimir Osechkin, chefe do Gulagu.net, um grupo de defesa de prisioneiros.

Osechkin disse que alguns receberam a promessa de um pagamento de cinco milhões de rublos para suas famílias se morressem, mas todas as recompensas financeiras podem nunca ser honradas. “Não há garantia, não há contrato real. É ilegal”, disse.

“Pode fazer uma grande diferença para mim: ficar preso por quase uma década ou sair em seis meses, se tiver sorte. Mas isso se tiver sorte.”

As opções de mão de obra de Moscou diminuíram ao longo de mais de cinco meses de invasão desajeitada e cansativa. O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou inicialmente que nenhum recruta havia sido mobilizado na guerra, antes de seu ministério da defesa admitir que havia retirado alguns das linhas de frente após sua implantação em aparente erro.

O Kremlin disse que não haverá mobilização geral na Rússia, talvez temendo que a política se mostre impopular, especialmente se as perdas espalhadas pela população não alterarem significativamente a dinâmica do campo de batalha.

O recrutamento na prisão está, segundo ativistas e prisioneiros, sob os auspícios da empresa militar privada Wagner, que não está sujeita à proibição dos militares russos de empregar condenados. Os prisioneiros não compartilharam nenhuma cópia de seus contratos com seus parentes ou ativistas, então os termos precisos ou o empregador permanecem obscuros. Wagner – que trabalha globalmente e é dirigido por Yevgeny Prigozhin, um homem conhecido como chef de Putin – é o empreiteiro militar mais onipresente da Rússia. Prigozhin nega vínculos com Wagner.

A falta de clareza, aliada ao silêncio de seus entes queridos, só aumenta a ansiedade dos familiares. Oksana, a meia-irmã de um prisioneiro russo que recebeu uma oferta de emprego, disse que sua mãe inicialmente estava ansiosa para receber o salário do serviço de seu filho, mas, desde que ele desapareceu de seus aplicativos de mensagens, estava fora de si de preocupação.

“Esta é a parte menos protegida da população. Putin disse que nenhum recruta seria enviado, mas eles foram. Com os condenados, será muito difícil revelar que foram enviados”.

“Sabemos que ele estava em Rostov Oblast”, disse Oksana, acrescentando que afirmou estar na fábrica de outra prisão. “Ele ligou para ela em um novo número de WhatsApp no ​​dia 10 de julho e pediu que ela enviasse uma cópia de seu passaporte para que ela recebesse seu salário”, disse ela. Isso significava que era menos provável que ele estivesse na prisão, disse ela, já que os salários de um preso pelo trabalho na prisão geralmente são pagos em sua própria conta.

“Estou em contato com muitos parentes e todos eles têm o mesmo cenário: enviar detalhes do passaporte. Sem contato”, disse ela. “Esta é a parte menos protegida da população. Putin disse que nenhum recruta seria enviado, mas eles foram. Com os condenados, será muito difícil revelar que foram enviados.” O nome de Oksana foi alterado devido a questões de segurança.

No final de julho, a mãe recebeu uma mensagem de outro novo número, familiarmente escrito no russo quebrado de seu filho. Insistiu que ele estava saudável e bem, mas não deu detalhes sobre seu paradeiro. “Falta algum tempo, mas está indo rápido”, escreveu. “Quando eu puder, eu ligo para você”

A mãe foi mais tarde chamada por uma pessoa que se apresentou como um “contador”, que prometeu levar o salário do filho em dinheiro para ela uma semana depois.
(As informações são CNN)

Leia também

Assassino que matou 4 pessoas e baleou 12 recebe sentença de até 3 anos

Da Redação – O atirador que invadiu duas escolas em Aracruz, Espírito Santo, vai cum…