Home Biden Secretário do Trabalho dos USA diz que o sistema migratório é uma ameaça à economia

Secretário do Trabalho dos USA diz que o sistema migratório é uma ameaça à economia

JSNEWS (POR: JCEDITORES) – Embora possa ser improvável em uma Washington politicamente dividida, o secretário do Trabalho do Governo Biden, Marty Walsh, disse que a reforma da imigração deveria ser a principal preocupação dos legisladores, a declaração de Walsh foi feita após a divulgação, nessa última sexta-feira, do relatório do índice de emprego para o mês de novembro que mostrou alta nos índices de emprego em setores menos especializados da economia dos Estados Unidos.

O relatório apresentou crescimento tanto nos níveis gerais de emprego quanto nos ganhos médios por hora, com uma taxa de desemprego que permaneceu em baixa de 3,7% – apesar de meses de aumentos das taxas de juros do Federal Reserve que devem eventualmente aumentar o desemprego.

Durante uma Live transmitida pelo Yahoo Finance na sexta-feira, Walsh disse que, quando viaja pelo país, o que as empresas lhe dizem é que precisam de trabalhadores qualificados e que a necessidade permanece comum em todos os setores de saúde, tecnologia e outros que requer mão de obra especializada.

De acordo com outro comunicado no início da semana passada, existem cerca de 10,3 milhões de empregos abertos nos EUA, muitos dos quais são para trabalhadores qualificados que não estão disponíveis.

“Quando falo com os empregadores neste país, quase todas as pessoas com quem converso concordam com a reforma da imigração”, disse Walsh, acrescentando que os legisladores em Washington “têm que olhar para o nosso sistema de imigração, é uma ameaça à nossa economia”.

A lacuna de empregos qualificados nos Estados Unidos mostrou poucos sinais de redução com uma taxa de participação da força de trabalho, que é em grande parte estável e não se espera que ultrapasse os níveis pré-pandemia em breve. No início de 2020, cerca de 63,4% da população estava trabalhando ou procurando emprego. Essa taxa foi de62,1% em novembro.

“Podemos criar caminhos para a imigração”

Walsh também destacou outro esforço contínuo do governo Biden para fechar a lacuna para demandas especializadas: treinar mais aprendizes. Ele disse que o governo Biden gastou US$ 363 milhões no ano passado para aumentar o número de aprendizagens registradas.

A lacuna de desemprego tem sido amplamente documentada, com uma pesquisa recente da Goodwill descobrindo que “a falta de habilidades e treinamento estão entre os principais desafios para garantir trabalho e um emprego significativo”, disse o CEO e presidente da Goodwill Industries International, Steve Preston, durante a LIVE.

Mas as chances de uma reforma migratória para os próximos dois anos parecem escassas devido ao cenário político dividido de Washington. Os legisladores no Capitólio estão focados principalmente em outras questões, como financiar o governo em 2023 e evitar uma greve ferroviária antes que os republicanos assumam o controle da Câmara dos Deputados em 2023.

Apesar de anos de discussões e pedidos de ação da comunidade empresarial, a última grande reforma da imigração nos Estados Unidos aconteceu em 1986 e foi assinada pelo então presidente Ronald Reagan. Desde então, uma série de esforços ficou aquém do esperado, com ambos os lados, Republicanos e Democratas, debatendo sobre outros sobre o assunto considerados “mais urgentes”.

“Quando se fala de imigração no Capitólio, o assunto é fronteira sul, mas isso não é imigração”, disse Walsh.

Os líderes empresariais também estão menos focados na fronteira e mais em programas que oferecem vistos temporários para funcionários em potencial com conhecimento especializado. Conhecidos como vistos H-1B. Muitos esperam que o programa criado em 1990 possa ser expandido à luz do mercado de trabalho atual.

“Podemos criar caminhos para a imigração em nosso país”, disse Walsh, “e temos que aproveitar as pessoas que querem trabalhar nos Estados Unidos para preencher os empregos de que precisamos para continuar a crescer nossa economia”.

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…