Home Brasil Sem defesa: Ministro Alexandre Moraes restringe o acesso de advogados a Roberto Jefferson e OAB vai ao Supremo contra a decisão
Brasil - 10/24/2022

Sem defesa: Ministro Alexandre Moraes restringe o acesso de advogados a Roberto Jefferson e OAB vai ao Supremo contra a decisão

De acordo com a determinação de Moraes, o contato de Jefferson com seus advogados somente poderá ocorrer apenas mediante autorização do Supremo.

FOLHAPRESS – Após o ministro Alexandre de Moraes restringir o contato do ex-deputado Roberto Jefferson com seus advogados, o Conselho da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que garanta as prerrogativas da defesa do ex-parlamentar.

A OAB argumenta que a decisão de Moraes “viola prerrogativa da advocacia”. De acordo com a determinação de Moraes, o contato de Jefferson com seus advogados somente poderá ocorrer apenas mediante autorização do Supremo.

“Sem descurar da gravidade dos fatos praticados pelo acusado, que inclusive motivou este Conselho Federal a determinar a instauração de processo ético-disciplinar em face do mesmo, já que ostenta a condição de advogado, a proibição dele receber seus advogados sem prévia autorização desse Supremo Tribunal Federal viola prerrogativa da advocacia, razão deste pedido”, afirma a OAB.

A OAB lembrou ainda que a instituição está ao lado das instituições democráticas na defesa da estabilidade e tranquilidade do processo eleitoral brasileiro.

“Registre-se que todas as vezes em que ocorreram ataques às instituições democráticas e Poderes da República, a Ordem dos Advogados do Brasil as repudiou e as repudiará de maneira firme e imediata, passando forte e contundente recado ao país da necessidade de se observar a lei e à Constituição Federal, em qualquer hipótese. De igual modo, a OAB, por meio deste Conselho Federal e todas as suas Seccionais, tem se mantido vigilante quanto à observância das prerrogativas da advocacia”, afirmou a OAB.

Em um vídeo, publicado na última sexta-feira (21), Roberto Jefferson distribui ataques e xingamentos à ministra Cármen Lúcia, por ela ter votado para punir uma emissora pelas declarações falsas contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT) — candidato à Presidência da República.

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou na noite deste domingo (23) que o ex-deputado se rendeu à Polícia Federal. Ele resistiu à prisão na manhã deste domingo quando policiais federais estiveram em sua casa e disparou contra os agentes que tentaram prendê-lo.

Leia também

Assassino que matou 4 pessoas e baleou 12 recebe sentença de até 3 anos

Da Redação – O atirador que invadiu duas escolas em Aracruz, Espírito Santo, vai cum…