Home Comunidade Ativista brasileira com câncer de mama precisa de ajuda
Comunidade - Local - Novo Normal - Saúde - 3 semanas atrás

Ativista brasileira com câncer de mama precisa de ajuda

Da Redação – A brasileira Farrah Boyd, 44 anos foi diagnosticada com câncer de mama em estágio 3 com metástases no linfonodo. Farrah trabalhou ativamente como voluntária no Brazilian Worker Center (BWC), durante a pandemia de Covid-19 na distribuição de alimentos e na campanha vitoriosa pela carteira de motorista para imigrantes indocumentados. Farrah Boyd precisa de ajuda e uma conta foi criada no GoFundMe para ajudá-la financeiramente. Um depoimento foi escrito por Farrah e é transcrito na íntegra a seguir.

“Meu nome é Farrah Boyd, tenho 44 anos, fui diagnosticado com câncer de mama em estágio 3 com metástases no linfonodo. Estou passando por quimio terapia Beverly-Ma (Lahey Hospital). Meu corpo está fraco e não é mais o mesmo, meu cabelo caiu, estou tendo problemas para comer e meus efeitos colaterais me deixam fisicamente fraca. Por favor, imploro que me ajudem a ter um trata mento mais digno para que eu não me sinta só. Minha família está no Brasil e preciso de ajuda para trazer minha mãe e minha irmã porque em março faço minha cirurgia e sinto muito medo de passar por essa cirurgia de dupla mastectomia sozinha. Já esgotei completamente emocionalmente na luta contra o câncer.

O câncer é forte, doloroso e difícil. Peço a Deus todos os dias que me ajude a superar essa fase da minha vida. Eu vim para os Estados Unidos como uma mãe solteira tentando proporcionar uma vida melhor para minha família e tenho o sonho de me tornar uma advogada. Eu teria que estudar inglês e iniciar um programa de mestrado LLM para a equivalência do meu diploma.

Desde que vim para os Estados Unidos, a vida tem sido desafiadora, mas sempre sobrevivi. Sempre fui uma mulher forte que se esforçou para garantir que tudo corresse bem. No momento essa é a maior dificuldade que estou enfrentando. Porque não consigo mais trabalhar com meu corpo como antes e minhas emoções estão muito confusas e sensíveis.

Estar sozinha longe do apoio da família nos deixa muito mais vulneráveis. Este diagnóstico e tratamento tem sido difícil. Estou muito doente e não posso trabalhar neste momento. As pressões financeiras da vida não desaparecem porque estou doente. Peço ajuda para continuar a sobreviver e passar por este longo trata mento pela frente. Se alguém puder ajudar com o custo da minha recuperação, ficaria grato a Deus todos os dias. Estou com medo, mas determinado a superar isso. Obrigado por todos vocês e peço a Deus que eu possa multiplicar por dez na vida de cada um de vocês o que vocês compartilharam comigo”.

Leia também

Fóssil: embaixador da UE critica postura de Lula com Venezuela, Cuba e Nicarágua

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou nesse domingo, 05, a po…