Home Biden Frustrado, Biden entra em seu segundo ano pronto pra luta
Biden - EUA - Internacional - Trump - 01/18/2022

Frustrado, Biden entra em seu segundo ano pronto pra luta

AFP – No primeiro ano de mandato, Joe Biden se apresentou como um avô tranquilo, um veterano discreto que deixou sua aposentadoria em 2020 para unir uma nação profundamente dividida por Donald Trump.
Um ano depois, o mundo conhece um segunda versão de Biden: frustrado e chateado. “Estou cansado de ficar quieto“, disse ele em um discurso inflamado na semana passada.

O presidente dos EUA estava se referindo especificamente às suas muitas “conversas amistosas”, mas sem sucesso, nos bastidores com os senadores em um esforço fracassado para aprovar sua legislação histórica sobre direitos de voto.

Biden poderia assim resumir seus primeiros 12 meses no Salão Oval.

E se 2021 viu um Biden moderado, parece que 2022 apresentará uma versão mais barulhenta e beligerante: um presidente ficando sem tempo, paciência e aliados para salvar o que resta de suas ambições.

Biden assumiu o cargo em 20 de janeiro de 2021, aos 78 anos, tornando-se o homem mais velho a se eleger presidente dos Estados Unidos, com desafios incríveis pela frente.

Biden

A covid-19 estava fora de controle, os apoiadores de Trump tentaram anular a eleição presidencial duas semanas antes, a economia estava em coma e os aliados dos Estados Unidos em todo o mundo estavam se recuperando do choque com Trump.
A resposta de Biden a tudo isso, sem mencionar as tensões explosivas sobre o racismo depois que uma série de negros americanos foram mortos durante incidentes polêmicos, foi prometer competição, decência à moda antiga e unidade.

“Toda a minha alma está nisso. Unir os EUA, unir nosso povo”, prometeu Biden em seu discurso de posse. E ele até parecia ter uma chance de sucesso.

Os democratas controlavam estreitamente as duas casas do Congresso, Trump havia sido banido do Twitter e as vacinas contra a covid-19 estavam prontas.

“Havia grandes expectativas de que Biden, dada sua experiência e seu conhecimento de Washington, pudesse… colocar o trem nos trilhos novamente”, disse Lara Brown, diretora da Escola de Pós-Graduação em Administração Política da Universidade George Washington. “Tratava-se de um retorno à normalidade.”

– ‘Caminho da arrogância’ –

Agora avance para o início do segundo ano de Biden.
Assolado pelas variantes delta e ômicron do coronavírus, com um país cada vez mais dividido e a provável perda do Congresso para os republicanos nas eleições de novembro, a sorte de Biden, aos 79 anos, parece ter acabado.

Com uma maioria de apenas um no Senado e pouco mais do que isso na Câmara dos Representantes, seu estrondoso plano de gastos sociais, “Build Back Better” (Reconstruir Melhor), está morto.

O mesmo vale para o pacote de direito ao voto que ele diz ser necessário para salvar a democracia americana dos apoiadores de Trump.

Centrista de coração, Biden não conseguiu se conectar com a direita ou satisfazer a esquerda de seu próprio partido.

As pesquisas de aprovação no fivethirtyeight.com indicam 42%, em queda desde os 53%. Uma pesquisa recente da Quinnipiac, embora atípica, registrou uma taxa de aprovação perturbadora de 33%.

No exterior, o quadro é semelhante.
Embora aliados globais prefiram que os Estados Unidos não sejam governados por Trump, a humilhante saída militar do Afeganistão maculou o profissionalismo do governo Biden.

A Rússia parece despreocupada já que reúne tropas na fronteira com a Ucrânia.

Tudo isso é um amargo despertar dos dias em que a Casa Branca fervilhava de idealismo e falava de Biden como se ele fosse Franklin Roosevelt, que liderou os Estados Unidos durante a Grande Depressão na década de 1930.

“O otimismo deles, combinado com a expectativa pública de que tudo se resolveria, os levou ao caminho da arrogância”, disse Brown.

– ‘Menos barulho e mais bom senso’ –

Ainda há um cenário em que Biden sai vitorioso: a pandemia diminui, a economia se estabiliza, a inflação recua e, com o bem-estar resultante, Biden consegue que seu partido reverta essas perdas legislativas a tempo das eleições de meio de mandato.
Os assessores de Biden também apontam que conseguiram que o Congresso aprovasse o plano de resgate de US $ 1,9 trilhão dos EUA, impulsionando uma economia devastada pela covid e evitando uma pobreza generalizada.

Surpreendentemente, os democratas também conquistaram forte apoio republicano ao aprovar um pacote de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão. Tudo isso com uma maioria mínima no Congresso.

O resultado mais provável para 2022, no entanto, é a continuação das lutas internas democratas, seguidas por uma eventual vitória republicana em uma ou ambas as casas do Congresso em novembro.

Nesse ponto, Biden pode aguardar investigações agressivas da Câmara e até mesmo um impeachment, já que os republicanos buscam minar ainda mais a capacidade de seus oponentes de governar.

Além disso, seria cada vez mais provável que Trump apresentasse sua candidatura para as eleições presidenciais de 2024, o que não impede o ex-presidente de continuar sua intenção de subverter as eleições de 2020.
Tudo junto é demais para a promessa de Biden de restaurar “a alma da América”. David Ignatius, colunista do Washington Post, aconselha o presidente a voltar à fórmula “menos barulho e mais bom senso”.

Mas Biden, entre a cruz e a espada, avisa que em 2022 seguirá um caminho bem diferente.

“Eu não esperava essa briga”, disse ele em outro discurso dramático neste mês, desta vez para marcar o aniversário da tomada do Capitólio em 6 de janeiro pelos apoiadores de Trump. “Mas também não terei medo”, advertiu Biden.

Leia também

Presidente do Peru tenta golpe de Estado e é preso

BBC NEWS BRASIL – Tudo aconteceu depois que Castillo fez o anúncio inesperado –…